micro-usb

O Parlamento Europeu aprovou hoje (13) uma iniciativa que exige a adoção de um carregador universal para dispositivos móveis por parte dos fabricantes do setor. A iniciativa tem uma janela máxima de implantação de três anos, para que os fabricantes possam fazer as modificações e adaptações nos seus projetos atuais.

Faz tempo que a Europa tenta impor aos fabricantes de smartphones e celulares a adoção de um carregador único para os dispositivos, com um objetivo duplo: reduzir os resíduos que eram gerados na troca do tipo de carregador, e proteger os consumidores, que poderiam utilizar qualquer carregador, com qualquer dispositivo.

Agora, isso passa a ser uma realidade “universal”, uma vez que praticamente todos os fabricantes já utilizavam o conector microUSB para a recarga de bateria. Apenas a Apple apostava em um padrão diferente, e agora, eles serão obrigados a seguir o mesmo padrão das demais.

Com uma maioria massacrante de votos (550 votos a favor, dos 570 presentes), a Eurocamara aprovou a proposta de uma parlamentária alemã, que exige que todos os fabricantes de dispositivos móveis adotem o carregador único. Agora, essa proposta deverá ser referendada por um conselho, e depois disso os países membros terão dois anos para incluir a norma em suas respectivas legislações. Depois disso, os fabricantes ainda contam com mais um ano para adaptar os seus dispositivos.

51 bilhões de toneladas de resíduos por ano

A norma, que vem acompanhada de outras leis de comercialização de controles à distância de carros e modems, busca por um lado favorecer aos consumidores, que poderão utilizar qualquer carregador com qualquer dispositivo, e por outro, reduzir a quantidade de resíduos que são gerados quando os usuários trocam de dispositivo e, por tabela, de carregador.

A partir de agora, começa uma contagem regressiva de três anos até a conclusão da adoção e/ou adaptação para o novo sistema. Na prática, essa regra vale praticamente para a Apple, que terá que introduzir o conector microUSB no iPhone dentro desse prazo.

Via Site do Parlamento Eurupeu