Panasonic EZ1000

 

A Panasonic apresentou na CES 2017 a sua nova TV OLED 4K Pro HDR, a Panasonic EZ1000.

A TV top de linha recebe os últimos avanços adotados pela Panasonic, em uma tela com 65 polegadas (4K), HDR e barra de som integrada na base. E estes são apenas alguns de seus argumentos.

 

 

Saltando os obstáculos impostos pelo OLED

 

 

A proposta da Panasonic visa solucionar um dos problemas mais comuns das telas OLED e essenciais na integração do HDR: o nível de brilho.

As telas LCD com HDR recebem pico máximo de brilho abaixo dos 1.000 nits, enquanto que nas telas OLED deem ficar em pelo menos 540 nits.

A nova OLED da Panasonic possui brilho de 800 nits, marca que ultrapassa e muito o mínimo exigido para o seu segmento. Apenas como comparativo: o modelo do ano passado ficava em 450 nits.

Por outro lado, a profundidade dos tons negro é uma das principais vantagens das telas OLED contra as LCD. Ao mesmo tempo, é um problema na hora de reproduzir detalhes nas áreas mais escuras. A Panasonic tenta solucionar isso com o processamento do chip Studio Color HCX2.

Outro inconveniente derivado da profundidade dos negros nas telas OLED é que algumas telas tendem a gerar uma dominante magenta em locais muito iluminados. Esse problema é resolvido com o filtro Absolute Black, que ajuda a minimizar os reflexos das possíveis fontes de luz.

A diferença entre o brilho máximo e o negro puro não é o único requisito para o HDR. A cor também é muito importante. A Panasonic EZ1000 consegue reproduzir 98% do espaço de cores DCI, contra 90% do modelo anterior.

Além disso, algumas opções específicas oferecem perfis de cores personalizadas, e a compatibilidade com os ajustes de calibração ISF e Portrait Displays CaiMAN estão disponíveis, mas não são pensadas no usuário médio.

O modelo é compatível com o padrão Hybric Log Gamma HDR, para reprodução de conteúdos HDR, que deve estar disponível ainda em 2017 em diferentes plataformas.

 

 

O som como protagonista do design

 

 

A Panasonic aposta em um design que quer simular que a tela está flutuando, sustentada apenas por um ponto no centro da base.

A base em si faz o papel de barra de som, abrigando oito woofers, quatro alto-falantes de médios e dois tweeters para agudos, além de um radiador passivo.

 

 

Firefox OS, a assinatura pendente

 

 

A Panasonic dessa vez aposta no Firefox OS, mas em um software que segue pendendo de assinatura.

Algumas mudanças aconteceram, mas não espere grandes novidades. A mais importante é a opção de criar pastas na tela inicial, para agrupar ícones. Além disso, o controle remoto conta agora com o botão My App, para acessar um app favorito com apenas um toque. Também foi atualizado o reprodutor integrado para suportar o padrão HDR10 e o Hybrid Log Gamma.

 

A Panasonic EZ1000 deve chegar ao mercado europeu em junho, mas seu preço não foi revelado.

Vendo suas características e baseado no preço do modelo anterior, podemos esperar um preço de um produto top de linha, para quem quer uma melhor qualidade de imagem, mas não para todos os bolsos.