smartphones

A cada ano, 1.5 bilhão de smartphones são vendidos, que (supostamente) substituem os “velhos” smartphones. E isso faz com que muitos desses “velhos” dispositivos virem lixo ou, na melhor das hipóteses, sejam depositados em um ponto de coleta.

Mas… sera que o modelo atual de reciclagem de eletrônicos é o mais eficaz?

O Recode levanta dúvidas sobre isso, e publicou um artigo que fala da eficácia do modelo atual e dos danos que estamos causando ao meio ambiente.

O que realmente acontece com um smartphone uma vez que não precisamos mais dele?

Se ele está em bom estado, podemos vendê-lo ou presentear algum familiar. Mas se ele não funciona mais, o seu destino é outro. Se o proprietário tem a informação correta, vai depositá-lo em um centro de reciclagem. Caso contrário, vai pro lixo mesmo.

Nos centros de reciclagem, sempre e quando os procedimentos são feitos da forma correta, o smartphone é desmontado, e se aproveita grande parte dos seus componentes, que posteriormente são enviados para empresas que fundem os metais aproveitáveis para retorná-los ao circuito de fabricação.

Os demais componentes são incinerados, provocando um grande dano ao meio ambiente (os eletrônicos são responsáveis por 70% da contaminação gerada).

Mas nem tudo é tão trágico. Os grandes fabricantes de eletrônicos começam a levar muito a sério o tema, e garantem que seus produtos não são mais os responsáveis pela degradação do meio ambiente.

Eles conseguiram isso através de programas de substituição, onde os clientes recebem desconto na compra do novo smartphone se levar o velho para ser reciclado.

E esta é a melhor solução para uma reciclagem efetiva e limpa.

 

Via Recode