Samsung-Galaxy-S3.jpg

Por partes, como diria o Jack. O pessoal da Samsung do Reino Unido confirmou para o site da SamMobile que as versões 3G do Galaxy S III (GT-i9300) e Galaxy S III Mini não receberão o Android 4.4 KitKat. A notícia foi previamente vazada pelo site em forma de um documento, e posteriormente confirmada pelos coreanos de forma oficial.

A decisão não só choca os usuários e mídia especializada, pela importância do aparelho em questão, e principalmente pelo argumento lançado pelos coreanos para a não atualização: o 1 GB de RAM presente no dispositivo.

Vale lembrar que, na época do seu lançamento, a Google alertou que o Android KitKat seria uma atualização útil também para os dispositivos de entrada, com apenas 512 MB de RAM, tornando esses modelos mais fluídos, com uma melhor performance, e com um pacote de aplicativos e recursos devidamente atualizado.

O que torna a decisão da Samsung ainda mais “surpreendente” (explico essas aspas daqui a pouco). Afinal de contas, vários modelos de concorrentes que contam com os mesmos 1 GB de RAM foram atualizados para a nova versão do Android sem maiores dificuldades.

A Samsung explica a decisão da não atualização por conta das limitações de hardware, já que o resultado não garantiria a melhor experiência de uso para o consumidor. Eles também esclareceram que as versões do Galaxy S3 4G/LTE (GT-i9305) ou os smartphones vendidos nos Estados Unidos com processadores Snapdragon serão atualizados para o Android KitKat. Só não informaram quando.

O negócio é o seguinte: não garantir uma boa experiência de uso já é um problema que o Galaxy S III sofreu com as demais atualizações. E, honestamente? Entendo que isso nunca esteve relacionado ao seu hardware. Até porque, mesmo depois de tanto tempo após o seu lançamento, o produto continua com uma boa especificação de hardware (processador quad-core Exynos 4412 de 1,4 GHz, 1 GB de RAM, 16 GB de armazenamento interno – com entrada para microSD de até 64 GB -, tela Super AMOLED de 4,8 polegadas com resolução de 1280×720 pixels, câmera de 8 megapixels com filmagem em 1080p e bateria de 2.100 mAh). 

O problema pode estar em outro item, que há muito tempo eu insisto que é o grande problema dos dispositivos Android da Samsung: a interface TouchWiz.

A cada nova versão do Android, a TouchWiz acaba ficando cada vez mais intrusiva no sistema, deixando a experiência de uso (em muitos casos) muito aquém do ideal. Por diversas vezes, em vários reviews, observei o quanto a TouchWiz consome de recursos de hardware, exigindo um conjunto cada vez mais potente para poder oferecer resultados fluídos e funcionais.

Outra possibilidade é o fato da Samsung, de forma conveniente, não atualizar o Galaxy S III para forçar uma maior demanda dos modelos Galaxy S4 e Galaxy S5. Afinal, para muitos consumidores, ainda era vantagem adquirir o modelo mais antigo, justamente por conta de ainda ser um modelo minimamente funcional e interessante pelas suas configurações.

Agora, não mais. A não ser que o usuário apele para o CyanogenMod, onde 1 GB de RAM nunca foi empecilho para o Galaxy S III receber o Android KitKat.

Via SamMobile