ARPANET

 

Custa imaginar que, a pouco mais de 40 anos, toda a internet cabia em uma folha de papel. O mapa da ARPANET ocupava o espaço de uma folha A4, e usava menos de 50 computadores conectados.

A curiosa historia sobre como nasceu a ARPANET é pouco conhecida. Tudo começou próximo da meia noite de 29 de outubro de 1969, em um pequena sala da Universidade de UCLA, com uma mensagem que só dizia “lo”.

 

 

Não era para fins militares

 

 

É comum você ouvir dizer que a internet começou para fins militares. Tecnicamente, está correto, já que a ARPANET foi desenvolvida pela ARPA (Agência de Projetos de Investigação Avançadas), que era mantida pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Mas os motivos para sua criação não foram militares.

Pal Baran trabalhava com a motivação da guerra fria entre EUA e União Soviética poderia destruir as comunicações e estrutura de controle do exército norte-americano em caso de um ataque nuclear. Muitas são as referências dessa ideia, mas na verdade não foi por isso que a ARPANET nasceu.

Na década de 1960, dentro da ARPA, estava a Information Processing Techniques Office (IPTO), que tirava proveito dos computadores dentro da administração. Robert Taylor, um dos pais da internet, iniciou seus experimentos como diretor da IPTO em 1966, e sugeriu ao diretor da ARPA a possibilidade de conectar os computadores para otimizar seu uso.

Com essa estrutura de computadores de rede, a ARPA poderia gerenciar melhor seus dados, sem dividir esforços inutilmente, mas sim concentrando em poucos, porém muito potentes computadores conectados entre si, que permitiam o compartilhamento de recursos e resultados entre pesquisadores e centros.

Mas Taylor não ficou por aí, e os resultados dos testes mostravam as vantagens de sua ARPANET. A ideia funcionava para a agência, e poderia ser utilizada em mais modelos de computadores diferentes, e sem problemas de incompatibilidade e com proteção à falhas, de forma que a estrutura se mantinha em funcionamento se um dos computadores apresentava problemas.

 

 

A proposta de Taylor era oferecer uma rede de testes com quatro nós que podia ser ampliada. E assim nascia a ARPANET. E a internet estava a caminho.

 

 

“lo”, a primeira mensagem entre computadores em rede

 

 

Se você passear pela Califórnia, uma visita recomendável é a 3420 Boelter Hall da Universidade UCLA, que recentemente foi restaurada para fazer parte da Kleinrock Center for Internet Studies (KCIS).

Lá, você vai encontrar documentos e equipamentos que mostram o primeiro nó entre computadores, como uma fantástica homenagem para Leonard Kleinrock, professor que em 1969, dentro da pequena sala da universidade, enviou a primeira mensagem na ARPANET.

Às 22h30 de 29 de outubro de 1969, o computador SDS Sigma 7 dessa sala enviou a mensagem do professor Kleinrock. A mensagem original era LOGIN, e tinha como destino o equipamento SDS 940 do instituto de pesquisa de Stanford.

Porém, a mensagem que chegou foi um curioso “lo”, resultante de uma falha de transmissão. A mensagem completa só chegou uma hora depois do início da transmissão. De qualquer forma, estava concluída a primeira conexão dos primeiros computadores dentro da ARPANET.

Duas semanas depois, quatro computadores estavam interconectados, e em dois anos, quase 70.

E ninguém conseguiu parar essa revolução.