galaxy-note-7-teaser-02

 

A Samsung decidiu retirar o Galaxy Note 7 do mercado de forma definitiva. A notícia já é confirmada por veículos de peso como Wall Street Journal e Bloomberg, e o motivo da decisão não é outro que os diversos problemas que o modelo sofreu, onde nem mesmo um primeiro recall solucionou a questão.

“Nós tomamos a segurança de nossos clientes como a maior de nossas prioridades, e decidimos suspender as vendas e a produção do Galaxy Note 7”, disse a empresa em um comunicado que chega um dia depois de suas ações na bolsa despencarem 8%.

Agora, o modelo é retirado de circulação de forma indefinida, mas poucos acreditam que o mesmo pode voltar ao mercado. E este é pior cenário que a Samsung teria que enfrentar: a empresa não soube resolver o problema das baterias defeituosas, focalizando o problema na Samsung SDI. No final das contas, era o smartphone em si o problemático.

E diante de tudo isso, podemos dizer com base segura de constatação que o Samsung Galaxy Note 7 é oficialmente história.

 

 

A cronologia dos acontecimentos

 

galaxy-note-7-incendiado-aviao

 

O BatteryGate entra para a história por conta de um sério erro de fabricação do Galaxy Note 7. Talvez o mais grave erro da história da telefonia móvel.

Não apenas um simples mau funcionamento, mas sim o risco de combustão, com múltiplos casos relatados, alguns confirmados e outros em processo. E grave a ponto de não ser solucionado com uma atualização de software.

Talvez o motivo de todo esse caos seja mesmo o acelerar do processo de produção do Galaxy Note 7 para antecipar sua chegada ao iPhone 7 e iPhone 7 Plus. A Samsung afirmou que era uma pequena parcela dos aparelhos, mas depois de várias denúncias de incêndios, eles iniciaram um programa de recall internacional, que agora sabemos que não estava bem coordenado.

A Samsung SDI foi publicamente responsabilizada pelo problema, e os casos de dispositivos incendiados não paravam de chegar. Quando a substituição dos aparelhos aconteceu, nada parecia ter mudado. Novos incêndios, alguns com riscos de se tornar algo mais sério, como o ocorrido no avião em Louisville. Um grave caso de segurança para os usuários, e um tiro na imagem do Galaxy Note 7.

Foi um problema de tamanha magnitude que as companhias aéreas proibiram os usuários do Note 7 de ligarem o dispositivo durante o voo ou recarregá-lo no avião. O Governo dos Estados Unidos chegou a interferir no processo de substituição do modelo comercializado no país.

 

 

Adeus, Galaxy Note 7

 

galaxy-note-7-naufragado

 

Por fim, a Samsung toma a decisão correta, mesmo que tardia. A retirada em definitivo do Galaxy Note 7 vai custar muito mais que o US$ 1 bilhão gastos no primeiro recall, podendo gerar um prejuízo de até US$ 17 bilhões (desses, apenas US$ 5 bilhões em efetivos; os outros US$ 12 bilhões seriam previsões de vendas).

O futuro da Samsung fica nebuloso, e a empresa terá que decidir o que fazer com a linha Note. Se em 2017 lança um Note 8, ou se decide integrá-lo à linha Galaxy S com um modelo Pro.

Mas o grande problema nesse momento é a mancha deixada na imagem dos sul coreanos. Os próximos meses serão de decisões complicadas para a Samsung.

 

Via WSJ