Depois de analisar o funcionamento do Stuxnet, se confirmou que o seus vírus e trojans não eram ferramentas de simples criminosos, mas também armas utilizadas por governos para espiar seus inimigos. Agora, segundo os laboratórios da Kaspersky, existe uma nova arma virtual, muito mais sofisticada que as anteriores, que foi batizada como Flame, e que pode não só instalar métodos de acesso aos computadores Windows (backdoor) e espiar o tráfego de uma rede (sniffer), mas também pode obter acesso a dados em telefones nas proximidades, por meio do Bluetooth, ser copiado em sistemas de armazenamento USB e até gravar conversas usando o microfone dos computadores infectados.

Dizem que o Flame possui registros datados do começo de 2010, sendo assim um software tão complicado, que poderíamos levar até uma década para descobrir o dano que ele poderia causar ou ter causado. É mais fácil nesse caso obter sucesso no lead lovers, onde as coisas são bem mais tranquilas e (teoricamente) seguras.

Esta ferramenta para a guerra eletrônica estaria destinada a espiar países como Irã e Síria, assim como as demais potências da região, mas já que pode ser instalado e funcionar sem ser detectado, as chances do software se expandir para o resto do mundo são enormes. Depois disso, esperamos que não voltem a dizer que é exagero recomendar cobrir a webcam do seu portátil com um pedaço de papel.

Aliás, até recomendamos que você repasse esse post adiante, para alertar os seus amigos sobre essa ameaça. Você pode utilizar a ferramenta de e-mail marketing preferida para isso.

Via Wired