tizen_logo

Uma das surpresas que a Samsung estaria preparando para a Mobile World Congress 2014 de Barcelona é a apresentação da segunda versão do Galaxy Gear, o seu relógio inteligente. E um dos principais diferenciais desse novo smartwatch seria a presença do sistema operacional Tizen no lugar do popular Android.

A estratégia da Samsung é bem simples: como a maioria dos consumidores apenas desejam que esses relógios inteligentes funcionem, sem se importar muito com qual sistema vai cuidar do gerenciamento dos seus recursos, os coreanos podem simplesmente adicionar o Tizen para cuidar dos recursos do relógio, fazendo apenas o intercâmbio com os recursos já existentes nos smartphones com Android da empresa.

Além disso, adicionar o Tizen em um smartwatch é uma aposta com risco menor, uma vez que esse segmento de mercado ainda está em expansão, sem ter um líder ou tendência consolidada.

A aposta da Samsung em oferecer o Tizen em outros dispositivos que não sejam smartphones e tablets pode ser interessante. Afinal de contas, não vai ser nesse momento que os coreanos vão apostar em outra proposta para os seus telefones inteligentes, ainda mais com a aproximação com a Google ficando muito clara (no recente acordo de licenças que unem Google e Samsung nesse momento).

Logo, parece que os coreanos seguirão o desenvolvimento do Tizen em outras frentes, ou melhor, em outros segmentos de produto. Como por exemplo, os eletrodomésticos, câmeras fotográficas, eletrônicos de consumo e, obviamente, os wearables. Segmentos onde o Android ainda não está tão presente, ou que não apresenta vantagens tão significativas.

Vale lembrar que a primeira versão do Galaxy Gear conta com uma versão muito personalizada do Android, para se ajustar às necessidades de uma tela com pequenas dimensões. Provavelmente a Samsung não quer criar uma dependência tão forte com um sistema operacional, e ao mesmo tempo, eles precisam vender a ideia do Tizen para o mercado de forma mais enfática.

O evento Unpacked 5, que acontece no dia 24 de fevereiro, pode ser o local que não só vamos conhecer o Samsung Galaxy S5, mas também a segunda versão do relógio. Ou de mais de um relógio, como alguns veículos internacionais apostam que pode acontecer. O que veremos? Um produto para profissionais? Para o público geral? Plástico ou metal? Preços diferentes?

Muitas perguntas.

O Tizen, principalmente apoiado pela Samsung, é uma plataforma aberta que está tentando chamar os desenvolvedores, apelando para a sua flexibilidade para se fazer presente em diferentes dispositivos, com HTML5 como uma das suas principais tecnologias (no caso do relógio, sem aplicativos nativos). E recentemente, eles conseguiram incluir 15 novos sócios na sua empreitada.

Com certeza teremos novidades com o sistema Tizen na Mobile World Congress 2014. Só não era esperado que seriam novidades importantes fora do segmento de smartphones. Seja como for, é necessário dar vida à uma plataforma que está perdendo rapidamente o interesse por parte das operadoras de telefonia, dos fabricantes, dos blogs de tecnologia e dos consumidores.