Você deve ter visto esta história em outros blogs, do Motorola Droid 2 que supostamente explodiu na orelha de seu proprietário, e aí apareceram fotos do dito telefone trincado, cheio de manchas de sangue, e o dono com a orelha enfaixada, e tudo mais, certo? Calma lá, que pode não ser bem assim a história.

Segundo um empregado da Motorola que trabalhou no desenvolvimento deste telefone, o mais provável é que o dispositivo tenha sido arremessado anteriormente ao chão, e que o vido quebrado tenha cortado a orelha do usuário. Na Gearlog, explicam que “as únicas coisas que podem explodir no telefone resultariam em uma inutilização do mesmo, e no caso deste aparelho em específico, ele ainda funciona. Não havia danos de explosão no aparelho”. E, se pararmos para pensar, a teoria do vidro quebrado tem mesmo muito sentido, mas não explica o “estouro” que Aron Embry afirmou haver escutado.

Apesar disso, a Motorola não está acusando Embry de ter mentido, apenas afirma que o dispositivo não causou as feridas inesperadamente como se imaginava. Além disso, temos que levar em conta que esta não é a resposta oficial e definitiva da Motorola sobre o assunto, que prometeu investigar o ocorrido.

Fonte