650_1000_sony-zx1-6

No começo de julho, a Sony comemorou os 35 anos de lançamento do Walkman, um produto icônico que mudou o mundo da música para sempre. O Walkman foi substituído por diferentes alternativas, como o MP3, o iPod e os smartphones, mas a marca Walkman sempre foi uma forte referência do mercado de eletrônicos de consumo.

A Sony sabe disso, e quer recuperar esse nome com o Sony Walkman NWZ-ZX1, um player multimídia que pode ser considerado a antítese do iPod touch. Tudo no dispositivo é orientado para ser um produto Premium, que tem um preço igualmente Premium: US$ 550.

Para começar, o modelo possui um corpo de alumínio (139 gramas totais), que ajuda a reduzir o ruído durante a reprodução. Sua capacidade de armazenamento é de 128 GB, garantindo assim o armazenamento de áudio de elevada qualidade e sem compressão (até 60 álbuns completos “de alta resolução”). Porém, esse armazenamento não pode ser expandido.

sony-zx1-8

A parte inferior do dispositivo abriga um curioso mecanismo que recebe um cordão para o pescoço, além da porta de recarga de bateria e transferência de dados e um conector de 3.5 mm com uma aparência bem profissional, encapsulado em um cilindro de grande tamanho, que promete reduzir a resistência ao contato. Na lateral do player temos os botões físicos de reprodução, mas o dispositivo pode ser controlado pela tela touch.

Aliás, a tela do novo Sony Walkman possui 4 polegadas de tamanho (854 x 480), e esse é o único ponto em que o lançamento perde para o iPod touch (1136 x 640 pixels).

650_1000_sony-zx1-7

O Sony Walkman ZX1 conta com o sistema operacional Android 4.1 Jelly Bean, e não possui tantas personalizações. É possível acessar todas as opções da plataforma (incluindo os serviços da Google), além das próprias melhorias da Sony na parte de reprodução musical, com visualizações e um controle dos equalizadores. O produto é compatível com os principais formatos digitais (ou pelo menos os mais populares).

Não há previsão de lançamento para outros mercados. E com esse preço, entendo que vai ser difícil dele chegar por aqui.

Via WSJ