jovem-usando-smartphone

Hoje, as pessoas geram grandes quantidades de dados através dos smartphones. Os dispositivos interagem com o usuário durante praticamente todas as atividades diárias, registrando tudo o  que acontece. Uma equipe de pesquisadores britânicos desenvolveram um framework que avalia as características pessoais sutis do usuário, como nível de estresse ou estado emocional, através das informações coletadas todos os dias pelos telefones inteligentes.

Todos esses dados podem ajudar a responder algumas perguntas que fazemos a centenas de anos. O estudo investiga algumas dessas através de um algorítimo que avalia o comportamento humano complexo, utilizando dados de sensores que estão presentes nos smartphones. Para isso, eles identificaram padrões durante as horas de trabalho, exercício ou socialização de um grupo de usuários.

Muitos dos resultados são evidentes e já conhecidos: o exercício ou o passar tempo fora de casa ou do trabalho faz com que os níveis de estresse melhorem. Também é curioso (ao mesmo tempo não surpreendente) que os níveis de estresse caem também no trabalho, sempre e quando a jornada é mais curta que o normal.

Por outro lado, encontraram que nem todos os fatores afetam todos por igual. As pessoas mais extrovertidas se beneficiam mais do fato de passar mais tempo fora de casa, enquanto que as menos estáveis emocionalmente se beneficiam mais dos exercícios.

Por outro lado, o interessante do estudo é que apenas com a informação extraída com a parte de localização e atividade física (através do acelerômetro) eles conseguiram pela primeira vez desenvolver um framework válido e confiável para avaliar características pessoais muito sutis, como o nível de estresse a cada momento. E melhor que os próprios usuários, inclusive.

Fica claro que, com este potencial nas mãos, os debates sobre a intimidade só começaram.

Para saber mais sobre o estudo, clique aqui.