Não foi só os smartphones Nokia Lumia que fizeram parte do evento de ontem (20) em São Paulo. Nokia e Microsoft apresentaram uma grande gama de promessas, novidades e inovações para os presentes, tentando enaltecer as qualidades e benefícios de sua plataforma em relação aos concorrentes.

Os principais executivos das duas empresas no Brasil subiram ao palco para falar um pouco da proposta e estratégia conjunta dessa parceria, que pelo menos demonstra o ânimo de querer voltar a conquistar uma fatia maior do mercado mobile. Bom, isso por parte da Nokia. A Microsoft, por sua vez, quer dominar todos os principais produtos de tecnologia da sua casa. E tem bons argumentos para conseguir isso.

Mas um dos assuntos centrais ainda era o Windows Phone. A Microsoft apresentou alguns números que mostram a taxa de crescimento de aplicativos para o seu sistema operacional. O principal deles é a marca de mais de 125 mil aplicativos para o Windows Phone. Mais uma vez, devemos lembrar que, comparado com os seus adversários diretos (Android e iOS), é um número ainda muito pequeno. Mas se considerarmos que o Windows Phone tem apenas dois anos de vida, é um começo relativamente promissor. Talvez o que falte para a Microsoft é convencer os desenvolvedores que vale a pena criar apps para o seu sistema. É um desafio semelhante que a BlackBerry possui com o seu novo sistema “escrito do zero”, o BlackBerry 10.

Outra preocupação da Microsoft no Brasil parece ser óbvia, mas não é: aumento da oferta de aplicativos em português. Afinal, é fundamental apresentar como diferencial os conteúdos no idioma do usuário, principalmente para aqueles que estão ingressando no mundo dos smartphones. Por isso, algumas parcerias estão sendo fechadas (ou em desenvolvimento) para que essa oferta de aplicativos em português aumente, e que esse possa ser mais um atrativo do sistema Windows Phone.

O S40 segue importante para a Nokia. É o segmento que mais vendeu para a empresa no último trimestre de 2012. Ou seja, vamos ver ainda algumas novidades no mercado de feature phones nos próximos meses.

O Windows Phone é parte fundamental da estratégia de recuperação da Microsoft. Pela primeira vez eu vi um executivo da Nokia (Almir Luiz Narcizo, presidente da Nokia no Brasil) admitir em público que a empresa perdeu o bonde da história, acreditando que o Symbian seria dominante por mais tempo. Até que demorou para isso acontecer. De qualquer forma, ficou por conta da Microsoft mostrar do que ele pode ser capaz.

O primeiro aspecto abordado foi o de customização. A liberdade de poder personalizar a tela inicial da forma que o usuário quiser, com Live Tiles e widgets com novos recursos de alteração de tamanho e animações fazem com que o Windows Phone 8 seja um sistema altamente intuitivo e pessoal. Tudo é pensado para que o sistema fique com a cara do usuário, e que essa experi6encia de alterações seja a mais prazerosa possível.

O segundo aspecto da Microsoft é a integração. Os principais recursos novos do Windows Phone 8 se alinham completamente com a proposta da empresa de Redmond em colocar todos os produtos dessa nova “filosofia Windows” dentro de uma única proposta, que é minimalista e muito integrada. A ideia da Microsoft é fazer com que todos os dispositivos que você tem em casa com um de seus sistemas conversem entre si, e troque informações de modo remoto, sem nenhum tipo de intervenção muito complexa ou configurações complicadas nos dispositivos. Basta você acionar a conectividade sem fio, parear e pronto. Tudo estará integrado em um mesmo ambiente.

A Nokia, por sua vez, falou das suas tecnologias e inovações. Um dos pontos abordados com orgulho para os representantes da fabricante finlandesa foi a evolução de sua tecnologia de câmeras, citando telefones clássicos com câmeras com tecnologias inovadoras para a sua época, até chegar na tecnologia (ou conceito). Segundo a Nokia, a câmera do Lumia 920 é a que melhor aproveita os recursos de captação de imagem em ambientes com baixa luminosidade entre todos os smartphones disponíveis no mercado.

Por fim, temos três novos smartphones no mercado nacional. Três novos modelos com Windows Phone 8, e o início de uma competição particular com a Samsung nessa categoria. Vamos esperar os próximos meses para descobrir qual das duas gigantes de tecnologia será a dominante no mercado mobile da Microsoft, que segue crescendo, mesmo com relativa baixa adesão dos usuários, e baixa oferta dos parceiros comerciais da Microsoft.