Android-52

Nessa semana, a Google comemora cinco anos de lançamento do primeiro smartphone Android, o T-Mobile G1 (também conhecido como HTC Dream). De lá para cá, muita coisa aconteceu, muitas versões foram lançadas, e hoje, estamos diante do sistema operacional móvel mais popular do mundo, com mais de 80% de penetração nos smartphones ativos em todo o planeta.

Esse post tenta mostrar um pouco que aprendemos com a chegada do Android no mercado. Vamos utilizar do bom humor para fazer essa análise, mas sem deixar de fazer comentários pontuais, baseados nos fatos dos últimos cinco anos. Você pode até não gostar do Android, e respeitamos isso. Mas não pode negar que o fato de ser hoje o sistema dominante, com apenas cinco anos de vida, é algo, no mínimo, impressionante.

Então… o que aprendemos com cinco anos de Android?

1. Nunca dê risada de algo que a Google investe tempo e dinheiro
Assim como aconteceu com a Apple quando apresentou o iPhone em 2007, muitos ridicularizaram a iniciativa do Android quando o sistema foi apresentado em 2008. Porém, se esqueceram das costas quentes da Google, que vendo que esse era um negócio de futuro, apostou o que tinha e o que não tinha para fazer o sistema dar certo no mercado. E o resultado é o que vemos hoje.

2. Somos livres para customizar nossos dispositivos
O Android, por ser um sistema aberto, ofereceu um nível de customização nunca antes visto na história da mobilidade. Se por um lado isso acaba com uma experiência de uso universal, ao mesmo tempo, oferece ao usuário aquilo que ele mais deseja (como ser humano, inclusive): liberdade. Nunca mais as pessoas vão se conformar em ter uma interface de usuário que não seja “a sua cara”.

3. Descobrimos o significado da palavra “customização”
Em qualquer dicionário decente, ao procurar o verbete “customização”, veremos a foto do robozinho do Android do lado do verbete. A mesma liberdade do item anterior também resultou em múltiplas versões do sistema operacional, complicando a vida dos desenvolvedores e (isso sim) acabando com uma experiência universal de uso de recursos e aplicativos. Até hoje, é o calcanhar de Aquiles do Android.

4. O Android amadureceu a ponto de ser COPIADO pela Apple (sim, eu disse COPIADO)
Por mais que Jony Ive repita que nem um retardado “esse smartphone é livre de Android”, ao se referir ao iPhone 5c, é inegável que o novo iOS 7 recebeu “inspirações” nos seus recursos e design de soluções que já estavam disponíveis para o Android a algum tempo. E o que é pior: os fanboys da Apple não podem nem afirmar que Ive melhorou os recursos que já existiam no sistema. Até porque “bloquear SMSs” e “fotos sequenciais” são recursos que usuários Android já tinham, e no novo iOS não apresentam nenhuma novidade. Logo… enfim, para bom entendedor…

5. Que tudo pode mudar em apenas cinco anos
Se pensarmos que, em 2008, a gente ainda falava da Nokia como uma das grandes, brigando cabeça a cabeça com a Apple, e que a Motorola já estava no limbo, e que a Samsung começava a brincar com essa história de smartphones… não que ninguém pudesse imaginar que teríamos o cenário de hoje. Mas sim que tudo mudou muito rápido. Ninguém sabe o que pode acontecer nos próximos cinco anos. Só o tempo (na verdade, o passar do tempo).

O Android se tornou hoje um dos símbolos da tecnologia de consumo, e o sistema que mais rápido alcançou a liderança de mercado de sistemas operacionais móveis (o iOS só ultrapassou o Symbian depois do Android ter feito isso). Logo, merece sim os parabéns. E que a disputa continue. Queremos mais opções de sistemas para desafiar o domínio do robozinho verde. Quanto mais opções, melhor.

Até porque, daqui a cinco anos, queremos revisar essa lista.