lg-g3-titanio

Quando o LG G3 chegou ao mundo, ele era um dos primeiros modelos top de linha a contar com uma tela com resolução QHD. E isso gerou um efeito colateral: o sucessor do LG G2 não contava com a autonomia de bateria que muitos esperavam. Meses depois, os demais fabricantes adotaram a mesma resolução, principalmente em phablets.

Muitos entendem que não compensa muito ter um smartphone com tela 2K sem ter uma autonomia de bateria que aguentasse um dia inteiro de uso. Logo, veio a pergunta: o que aconteceria se o LG G3 funcionasse com resolução 1080p?

lg-g3-benchmarks-1440p

O pessoal do PhoneArena aceitou o desafio: instalaram o aplicativo Nomone Resolution Changer no LG G3, mudando assim a resolução de trabalho, o que obrigou também a mudança da launcher do dispositivo (a LG Home não suporta a resolução Full HD), e isso permitiu um comparativo do desempenho geral do smartphone e da sua autonomia de bateria, antes e depois da mudança de resolução.

O resultado é surpreendente: a redução da resolução deixou o smartphone mais fluído e mais potente. Os testes realizados com o AnTuTu e o GFXBench revelam melhoras notáveis no desempenho, além de uma considerável melhora na autonomia de bateria, algo que também deve estar associado a um software preparado – de um modo geral – para trabalhar em resoluções QHD.