Apple Watch

A Apple aumentou pela segunda vez a garantia do Apple Watch, reforçando sua iniciativa de oferecer um suporte notável aos seus produtos. Porém, isso não esconde os problemas detectados no dispositivo, que tem agora garantia de fábrica de três anos.

A primeira extensão cobria especialmente os problemas com as baterias que estavam inflando ou estufando em um número indeterminado de unidades do Apple Watch. A segunda se refere ao desprendimento da tampa traseira, especialmente quando retiramos o relógio do carregador magnético.

São problemas amplamente registrados nos fóruns de suporte da Apple e no Reddit, mas a Apple o trata apenas em memorandos internos, sem reconhecer que são problemas mais sérios de design do produto.

Ainda que a política de serviço esteja em vigor desde o ano passado e se aplica a todo e qualquer modelo da primeira geração (Sport, Hermes e Apple Watch Edition), alguns usuários pagaram pelo conserto do produto por desconhecerem a extensão da garantia.

Ou seja, cada vez fica mais claro que o Apple Watch foi lançado prematuramente. Inicialmente, o estoque do produto não estava garantido, e nem mesmo a sua maturidade como produto. O resultado? Vendas muito abaixo do que a Apple esperava.

O Apple Watch Series 2 chegou ao mercado no ano passado, com novidades e melhorias que resultaram em 5.2 milhões de unidades vendidas no último trimestre de 2016, além de uma cota de mercado acima dos 60%.

As vendas melhoraram, mas ainda seguem abaixo das ambições da empresa. E isso não é um problema só da Apple: o segmento de smartwatches segue sem atrair o grande público, que segue vendo esse tipo de produto como um acessório e não uma necessidade.