videogame

A Akili Interactive Labs é uma pequena empresa de medicina digital, que está desenvolvendo videogames terapêuticos. Eles acreditam que podem convencer a FDA dos EUA a aprovar o seu videogame que combate o défcit de atenção.

Se eles conseguirem, seria o primeiro do gênero a alcançar tal objetivo. Um estudo com 348 crianças entre 8 e 12 anos de idade, diagnosticados com TDAH, que dedicaram meia hora por dia, cinco dias por semana durante um mês ao jogo de ação da Akili explicam esse otimismo no sucesso do tratamento.

Depois do tratamento, testes indicaram melhoras significativas na atenção e no auto-controle comparado com o grupo de controle (que usou outro videogame como um placebo).

 

 

Clinicamente, é difícil compreender que o jogo está atacando diretamente as vias neurológicas chave, que controlam a atenção e a impulsividade. De qualquer forma, os algoritmos que avaliam a resposta da criança e apresentam tramas narrativas atraentes (e terapêuticas) desenvolvidas individualmente.

Os dados do estudo são muito preliminares, e o jogo ainda precisa mostrar sua efetividade diante do melhor tratamento disponível hoje.

Além disso, médicos e familiares perceberam uma melhoria no paciente, independentemente se os pacientes jogavam um jogo ou outro. Algo curioso, especialmente pela polêmica que traz consigo o TDAH.

 

 

Ainda não há evidências que os videogames são efetivamente eficientes nesse aspecto, e que tudo o que os envolvidos está fazendo nesse momento é mostrar os dados. Substancialmente, nada mudou. Mas a Akili pode mesmo ser a primeira a obter uma aprovação da FDA.

Porém, o caminho para a aprovação legal e tratamento é bem longo. É preciso saber se o mecanismo do algoritmo (que ativa certas redes neuronais) faz algum sentido, e os processos da FDA são longos e caros.

Porém, é um projeto que faz parte de um grupo muito grande de iniciativas que tratam de utilizar os videogames como forma de abordar os problemas de saúde. Outras iniciativas visam combater o autismo, por exemplo.

O futuro é promissor nesse aspecto. Porém, o presente é apenas uma estratégia de marketing. Por enquanto.

 

Via Stat