Em 1 de outubro de 1982, o sexto álbum de estúdio de Billy Joel, 52nd Street, foi relançado no mercado. O álbum, que originalmente foi lançado em 1978, foi o escolhido para iniciar uma nova era na indústria fonográfica, pois seria o primeiro CD a ser lançado, e ajudaria na promoção do lançamento do primeiro CD player da história, o Sony CDP-101. Ou seja, hoje, 1 de outubro de 2012, o CD completa 30 anos.

A pesquisa e desenvolvimento do compact disc como conhecemos hoje começou bem antes de 1982. No começo de 1974, a Philips decidiu criar uma plataforma de áudio completamente nova, que seria menor no tamanho e com maior qualidade do que os discos de vinil e fitas cassete (que, naquela época, eram grandes e pesadas, na sua maioria). Três anos depois, a fabricante conseguiu desenvolver um laboratório apto na fabricação de CDs e CD players. Eles então chamaram o produto de “compact discs”, para seguir a convenção de nomes que eram utilizados na época, como por exemplo, “compact cassete” (que são as fitas cassetes que muitos de nós utilizamos em walkmans).

Na mesma época, a Sony também estava desenvolvendo a sua própria tecnologia de CDs, mas as duas companhias resolveram combinar os seus esforços, e atuaram como parceiras para o lançamento oficial do CD, em 1982. E como toda tecnologia nova, o CD foi visto com um certo ceticismo na época do seu lançamento, e o mercado levou mais de 10 anos para adotar de vez os CDs e aposentar os LPs. E ainda assim, na década de 1990, as pessoas ainda utilizavam as fitas cassete para ouvir músicas.

Apesar da percentagem das pessoas no mundo que ainda usam CDs continuar a cair de forma gradativa, não podemos negar que o formato causou um grande impacto na indústria da música. Mesmo para aquelas pessoas que acreditam que os discos de vinil oferecem uma qualidade superior de reprodução musical, as novas plataformas digitais ajudaram de forma decisiva na popularização de artistas e músicos junto às novas gerações.

O CD pode estar em extinção. Mas graças à ele, os primeiros arquivos em MP3 foram criados, e todos nós começamos a ouvir as nossas músicas de CDs em dispositivos reprodutores de MP3, com maior praticidade de uso, e até mesmo maior qualidade. Logo, devemos ser muito gratos ao CD por ele ainda ser um sobrevivente no mercado musical.

Via The Next Web