Acredite, se quiser, mas já se passaram cinco anos. É realmente difícil de acreditar que já faz tanto tempo assim, mas o fato é que no dia 5 de novembro de 2007, o Google anunciou oficialmente o lançamento de um novo sistema operacional móvel, o Android. Ou seja, hoje, 5 de novembro de 2012, o Android completa cinco anos de vida.

Na verdade, o que o Google fez de verdade naquele dia foi informar que a Open Handset Alliance, que era composta por um grupo de empresas de tecnologia (incluindo o dono do Android, o Google), estava apresentando a primeira versão beta do Android, que por sua vez, seria um sistema operacional móvel aberto, a ser utilizado por todo e qualquer fabricante que resolvesse apostar naquela iniciativa. Mas, na prática, é a mesma coisa de anunciar que o Android nasceu para o mundo.

Hoje, se compararmos a rudimentar versão 1.0 do sistema móvel com a mais recente versão, a 4.2 Jelly Bean, é a mesma coisa de comparar dois sistemas completamente diferentes, como o Windows 1/2.0 como Windows 8. O Android teve uma longa trajetória de desenvolvimento e evolução, mas que aos olhos do mundo tecnológico, foi feita em uma velocidade praticamente relâmpago, principalmente se levarmos em conta que, no primeiro ano de existência, o Android não teve uma versão completamente funcional e comercial.

Apenas em outubro de 2008, um ano após o anúncio de sua existência, o primeiro smartphone Android chegou ao mercado, o HTC Dream (ou o T-Mobile G1 nos Estados Unidos), com uma tela de 3.2 polegadas, câmera de 3.15 megapixels, 192 MB de RAM, um teclado físico QWERTY slide, e sistema operacional Android 1.0, que foi atualizado para a versão 1.6 Donut um ano depois. Comparado com o LG Nexus 4 lançado na semana passada pelo Google (tela de 4.7 polegadas HD, processador quad-core, câmera de 8 megapixels e 2 GB de RAM), o HTC Dream é um “projeto de smartphone”, apesar de que até mesmo com essas configurações limitadíssimas, pode receber (de forma não oficial) o Android 4.0 Ice Cream Sandwich, mostrando assim a flexibilidade do sistema operacional.

Entre o HTC Dream e o LG Nexus 4, o Android tem uma trajetória de produtos que são verdadeiros “best sellers” do mundo da tecnologia, como por exemplo a linha Galaxy S da Samsung (Galaxy S, Galaxy S II, Galaxy S III), as linhas Milestone e RAZR da Motorola, a linha Nexus do Google, alguns modelos da HTC, entre outros fabricantes. Com erros e acertos no meio do caminho, e com uma proposta de ser um sistema funcional e em produtos com preços mais competitivos que os seus adversários, o Android se tornou em pouco tempo o sistema operacional dominante no mundo mobile, com uma cota de mercado superior a 60% (de acordo com a última análise da ComScore).

Hoje, o Android alcançou um ponto de maturidade que permite que ele seja um sistema estável, rápido e fluído em equipamentos de diferentes categorias. Obviamente, a sua performance é invejável em telefones com processadores de dois núcleos ou mais, mas em modelos de linha média, é um sistema bem mais estável do que era no passado. Ou seja, para a maioria dos usuários que desejam um smartphone para se comunicar nas redes sociais, navegar na internet, ver vídeos no YouTube, ler e-mails e gerenciar agenda de compromissos e contatos, os modelos com Android são uma excelente escolha, por atender todas essas necessidades consideradas mais básicas, mas com propostas de preço mais democráticas.

O Android foi uma iniciativa que movimentou o mercado mobile de forma decisiva. Colocou o Google na disputa, algo que ela não estava presente em 2007. Salvou a Motorola, que estava mal das pernas, com lançamentos de produtos não muito vantajosos e parada no tempo em relação aos adversários. Colocou a Samsung na briga do mercado mobile, se tornando a maior vendedora de smartphones do mundo, e a principal adversária da Apple no segmento. Sem falar que colocou outros concorrentes menores no mercado, além de praticamente afundar marcas consideradas tradicionais no mercado de smartphones, como Nokia e BlackBerry.

Enfim, o Android completa hoje 5 anos de vida, com sinais de que não vai perder o seu fôlego tão cedo. Segue expandindo o seu domínio no mercado de smartphones, e se prepara para, em breve, assumir a liderança no mercado de tablets. Esperamos que o futuro do Android nos reserve dispositivos cada vez melhores, com dispositivos potentes… e um sistema menos fragmentado! Por favor, Google!