650_1000_1-6

A Apple apresentou um novo MacBook, que vai além de ser uma renovação do modelo Air (que ainda existe). É um novo produto, com muitos detalhes que chamam a atenção. Talvez o mais polêmico está nas portas… ou na ausência delas.

O novo MacBook simplificou bastante as suas conexões físicas. Do lado esquerdo, temos uma única entrada, que está responsável por todas as entradas disponíveis em um portátil: carregar o dispositivo, oferecer a saída de vídeo auxiliar e transmitir dados. O lado positivo disso é que temos a implementação da porta USB Type-C, que é pequena e reversível, e que deve se tornar o padrão nos computadores portáteis nos próximos meses.

O lado negativo, você já pode imaginar: uma única porta que não é compatível diretamente com todos os acessórios, periféricos ou memórias USB que você acumulou ao longo dos últimos anos.

650_1000_environment_large_2x

Logo, você já pode imaginar que não vamos poder fazer várias coisas de uma única vez. Não vamos poder carregar o smartphone enquanto carregamos o MacBook, nem usar a saída de vídeo com o monitor enquanto acessa o disco rígido externo.

Agora, é uma coisa de cada vez.

Mas existe uma solução que pode ampliar as portas disponíveis no equipamento. A Apple tem alguns adaptadores oficiais, que custam 89 euros, com portas múltiplas (USB-C para AV digital, ou USB-C para VGA). Se o que você usa mais é a USB, um adaptador específico custa 19 euros.

650_1000_conector-hdmiCom o tempo, devem chegar mais adaptadores para casos mais específicos. Mas é bom lembrar que sempre temos as funcionalidades sem fio (AirPlay, Bluetooth, etc).

Do outro lado do MacBook, na mesma altura, temos um conector jack de 3.5 mm, para os fones de ouvido.

650_1000_3-4

Parece claro que as portas ocupam um lugar importante, ou ao menos coincidem com o design de uma lateral tão fina. Mas certamente muita gente não teria se importado em perder essa baixa espessura para ter um pouco mais de flexibilidade no uso do portátil.

Também está o componente de evolução, por ser um dos primeiros a matar uma tecnologia que convive conosco, e que tem data de caducidade. A Apple decidiu em 1998 que não havia mais espaço para disquetes ou portas antigas de comunicação no iMac G3. No meio do caminho, nos deparamos com a eliminação dos leitores de CD nos notebooks. Quem sabe agora testemunhamos o fim de múltiplas portas de conectividade física?