Pelo visto, o principal destaque do iOS 6 é mesmo negativo. Mesmo com tantas inovações e melhorias, aquilo que ficou mais evidente para usuários e especialistas em tecnologia foi mesmo o fiasco do iMaps (ou Mapas da Apple) para o sistema operacional móvel. Nesse post, vamos fazer um resumo de tudo o que foi publicado nas últimas horas sobre o assunto, que desde ontem é “o assunto do momento” (bom, pelo menos até a abertura das lojas Apple para o início das vendas do iPhone 5).

Com tantos usuários reclamando, e todos observando o quão ruim é o aplicativo, a TomTom, responsável pelo sistema cartográfico do iMaps, tratou de limpar a sua barra e se defender sobre aquele monte de ruas equivocadas, prédios e localidades que não aparecem, e aquelas imagens cheias de píxels que não fazem o menor sentido (ou que parecem ser retiradas do cesto de lixo do Google).

Um porta-voz da empresa holandesa disse para a BBC que a TomTom “só ofereceu os dados” para a Apple, mas “não possui nenhuma responsabilidade” sobre como a empresa de Cupertino está usando esses dados. Palavras da TomTom:

“A experiência de uso se determina adicionando funções adicionas ao aplicativos de mapas como elementos visuais, e o resultado final depende totalmente das escolhas que os fabricantes fazem”.

E, se não ficou muito claro para você, que está lendo esse post, a TomTom garante que se sente “segura sobre nossa qualidade de mapas, uma vez que vender 65 milhões de dispositivos de navegação portátil em todo o planeta, e mais de 1.4 milhão de aplicativos TomTom para o iPhone durante os últimos dois anos reafirma esta qualidade”.

Resumindo: como eu já disse ontem, a culpa está longe de ser da TomTom. A responsabilidade é, e sempre foi da Apple, que entregou o produto final ao consumidor. De novo: mesmo em estágio inicial de desenvolvimento, é inadmissível que a empresa dita como “mágica e revolucionária” ofereça um produto de tão baixa qualidade, e que não funciona com a mínima eficiência.

Bom, como somos um espaço democrático, vamos ver como a Apple se pronunciou. Vendo todo o barulho causado, a empresa de Cupertino emitiu um comunicado, se defendendo de todas as críticas. Vejamos:

“Clientes de todo o mundo estão atualizando o iOS 6 com mais de 200 novas características, incluindo o Apple Maps, nosso primeiro serviço de mapas. Estamos emocionados por poder oferecer este serviço com novas e inovadoras funções como vistas aéreas, navegação passo a passo e integração com Siri. Lançamos esse novo serviço de mapas, e sabendo que é uma iniciativa importante e que acabamos de começar (a trabalhar) com ela. O Mapas é uma solução baseada na nuvem, e quanto mais as pessoas usam, melhor será. Apreciamos todas as reações dos usuários, e estamos trabalhando duro para fazer com que a experiência dos consumidores seja a melhor.”

Por fim, a empresa mais desejada nas últimas 24 horas pela maioria dos 15% dos proprietários do iPhone que atualizaram para o iOS 6. Alexis Tsotis, do site TechCrunch, conversou com fontes da empresa de Mountain View, e soube que eles já trabalham em um aplicativo do Google Maps para o iOS, e espera disponibilizá-lo na App Store da Apple “para antes do Natal”.

Até lá, você tem algumas alternativas. A primeira, e menos dolorosa, é não atualizar para o iOS 6. Pode parecer radical, mas é o seu direito. A segunda, é que existem pelo menos dois desenvolvedores independentes com aplicativos que fazem a “transição” do iOS 6 para o Google Maps, que ainda precisam ser aprovados pela Apple para entrar em sua loja de aplicativos. Pode demorar? Sim, mas é meio caminho andado.

A terceira é usar o Google Maps via Safari, mas não é a mesma coisa. A quarta é esperar pelo novo aplicativo. Algumas fontes afirmam que o Google já tem um aplicativo do Google Maps pronto para o iOS, esperando pela aprovação da Apple (ou pela sua boa vontade).

Mas, enquanto você espera, veja as melhores gafes dos mapas do iOS 6, em um Tumblr muito divertido.

Via BBC, AllThingsD, Ubergizmo