Falando tanto de Nokia, Motorola e Amazon nos últimos dias, quase nos esquecemos que temos Apple e Samsung nessa semana. Pois bem, vamos atualizar você sobre o que acontece com a fabricante coreana. A primeira notícia vale para lembrar para seus concorrentes (a.k.a. Apple) quem é que manda no negócio (ou, pelo menos, quem envia muitos smartphones em um curto espaço de tempo).

A Samsung comemora a marca de 20 milhões de unidades distribuídas do Galaxy S III em 100 dias. Mas, atenção: vale lembrar que UNIDADES DISTRIBUÍDAS quer dizer “unidades enviadas aos pontos de venda”, e não UNIDADES VENDIDAS, certo? Nesse aspecto, quando a Apple divulga em seu relatório trimestral a venda de 36 milhões de iPhones (é um exemplo ilustrativo), isso significa “produtos entregues ao consumidor final”. No caso da Samsung, as unidades enviadas não necessariamente se convertem em vendas, mas para a fabricante sul-coreana, acaba sendo lucro, pois são unidades que saem comercializadas das fábricas.

O importante a se destacar nesses números é o tempo que a sul-coreana levou para alcançar essa marca: 100 dias. Para você ter uma ideia do quanto que a Samsung cresceu no mercado de smartphones, para alcançar essa marca com o Galaxy S original (o primeiro), eles levaram (pasmem) 17 meses! Com o Galaxy S II, o tempo foi um pouco menor: 10 meses. Ou seja, o Galaxy S III se disseminou no mercado com uma velocidade pelo menos seis vezes maior que o Galaxy S, e pelo menos três vezes mais rápido que o seu antecessor direto, o Galaxy S II.

A Samsung também revelou como está o seu mapa de distribuição do smartphone ao redor do planeta. 6 milhões de unidades foram distribuídas na Europa, 4 milhões e meio na Ásia, 4 milhões na América do Norte e 2 milhões e meio na Coreia do Sul. O restante foi dividido nos demais mercados globais. A média de unidades em movimento é, segundo a Samsung, de 200 mil unidades por dia.

Porém, nem tudo são flores no mundo da Samsung. Eles voltam aos tribunais, mas dessa vez, no papel de algoz.

A Coreia do Sul é pequena demais para que a LG e a Samsung possam coexistir sem causar problemas, e a Samsung está processando a LG na justiça do país, acusando a rival de coagirem contra 11 pesquisadores no mês de julho, para que revelassem segredos industriais relacionados aos seus televisores OLED, que por sua vez, forneceram documentos com tecnologias e informações relacionadas ao assunto.

A Samsung agora exige aproximadamente US$ 880 mil para cada tecnologia que vazou de forma ilegal. A LG, por sua parte, informa que seus televisores OLED são “completamente diferentes” dos modelos da Samsung, uma vez que seus modelos utilizam pixels de quatro cores (com um subpixel especial branco), no lugar da típica combinação RGB. Além disso, a LG afirma que as acusações da Samsung são apenas “uma cortina de fumaça para encobrir os seus próprios problemas”. A LG aqui fala do estranho desaparecimento de dois protótipos OLED enviados para a IFA 2012.

Seja como for, algo me diz que esse assunto tem o potencial para se transformar em mais uma briga feia no mundo da tecnologia.

Via Engadget e The Next Web