google_logo.jpg

A Google quer dominar o mundo, e parece não parar de criar coisas com esse objetivo. Mesmo que algumas ideias da empresa sejam um fracasso completo, eles seguem tentando. Afinal, a filosofia deles é “vai que (dá certo)?”. E segundo informa o Wall Street Journal, podemos ver em breve novidades vindas de Mountain View, como um console Android (algo que já era especulado na Google I/O 2013), um relógio inteligente, e um substituto para o Nexus Q.

Todos esses itens de hardware estariam nesse momento em fase de desenvolvimento, mas alguns deles podem ser anunciados já no terceiro trimestre de 2013. O mais atraente deles é, sem dúvida, o console Android, que chegaria para brigar com o Ouya, apostando em todo o potencial de expansão do Android para as plataformas domésticas de games.

A ideia de um console Android não é ruim, e pode ir na esteira da linha de smartphones Nexus. Quando a Google pensa em um console Android, o recado que eles querem passar ao mundo é: quando se combina o hardware e o software em um produto dessa categoria, esse produto não só cria os parâmetros para os demais, mas legitima o conceito do produto, para que outros fabricantes possam fazer o mesmo.

Mais do que oferecer um console Android, a Google quer oferecer mais uma porta de oferta de aplicativos para os desenvolvedores, dando mais relevância ao mercado de games para o Android. Em troca, a Google lucra com a venda desses aplicativos, com a publicidade indireta, e com a valorização de sua base de aplicativos.

O segundo produto que a Google pode lançar em breve é um relógio inteligente, que tem como objetivo fazer o mesmo que os consoles Android podem fazer. Aqui, os riscos são maiores: a Google já começa atrás no mercado de smartwatches, e eles precisam surpreender muito o mercado para convencer que a ideia de um relógio inteligente é boa o suficiente para conquistar o consumidor, além de ser um produto melhor do que as propostas apresentadas por fabricantes de peso, como Sony, LG e Motorola.

Por fim, o substituto do Nexus Q, um produto que foi um fracasso completo, e que sequer chegou a ser comercializado. A única coisa que espero é que esse tempo perdido tenha servido para que o Google aprendesse efetivamente o que fazer com esse produto, que até contava com um bom potencial comercial.

Vamos ver se nos próximos meses algumas dessas novidades aparecem no mercado.

Via WSJ