lumia-920-lumia-820.jpg

A Nokia publicou o seu relatório financeiro, referente ao período do primeiro trimestre de 2013, e mesmo com um aumento nas vendas dos smartphones Lumia ao redor do planeta, no final das contas, a fabricante finlandesa segue registrando prejuízos. Isso mostra que a estrada para a recuperação de seu posicionamento no mercado mobile se torna cada vez mais longa e tortuosa.

Segundo o relatório financeiro recém publicado, a Nokia vendeu 5.6 milhões de unidades da linha Lumia entre janeiro e março de 2013, o que é um aumento até interessante, se comparados com os números do trimestre anterior (4.4 milhões de unidades vendidas). Mesmo assim, a fabricante registrou perdas operacionais de 150 milhões de euros (mesmo com um volume total de 5.9 bilhões de euros que entraram no caixa da empresa).

Esse prejuízo da Nokia já foi maior no passado, e analistas consideram essa uma margem “controlável”, mesmo com essa falta de rentabilidade. Se pensarmos que um pouco antes da parceria com a Microsoft esse prejuízo era de mais de US$ 1 bilhão, podemos dizer que a empresa está sim se recuperando. O problema é a falta de rentabilidade, que torna a recuperação mais lenta do que o esperado.

Mas um dos principais motivos para os atuais números de vendas da Nokia é o mercado norte-americano, onde os smartphones da linha Lumia não emplacam. Nos Estados Unidos, eles venderam apenas 400 mil unidades nos últimos três meses, bem menos que as 700 mil unidades vendidas no trimestre anterior. Mesmo assim, Stephen Elop, CEO da empresa, garante que as vendas dos modelos com Lumia seguem uma tendência de crescimento, uma vez que as vendas na China amortizam as quedas registradas nos EUA. Na Ásia, modelos como o Lumia 920 parece ter uma boa aceitação, mesmo com o seu preço elevado.

O relatório financeiro da Nokia também revela que os recentes lançamentos dos modelos 720, 620 e 520 só terão suas vendas refletidas no próximo trimestre, que também deve servir de contraponto ao fraco desempenho comercial dos modelos tradicionais (celulares), que seguem registrando quedas em suas vendas. Se serve de consolo para a Nokia, o volume de vendas de celulares em todo o planeta reduz em uma média de 30% por trimestre.

Via Nokia