Nokia

A Nokia negou com certa dose de contundência os rumores que apareceram na semana passada sobre uma suposta volta da empresa para o mercado de smartphones.

De acordo com o comunicado emitido pela empresa, “as notícias recentes que afirmam que a Nokia anunciou o desejo de fabricar dispositivos de consumo em um centro de I + D na China são falsas, e incluem comentários incorretamente atribuídos à um executivo da Nokia Networks. A Nokia reitera que nesse momento não tem planos de fabricar ou vender dispositivos de consumo”.

Não sabemos o que o futuro nos reserva quando o acordo de venda com a Microsoft chegar ao fim (em 2016), mas diante de tal comunicado, um retorno da Nokia ao desenvolvimento de smartphones é agora algo muito improvável. A Nokia já tinha muitos problemas para manter as suas vendas antes do acordo com a Microsoft, e um retorno praticamente do zero em um mercado tão competitivo é algo praticamente impossível.

Sem falar que recentemente a Nokia comprou a Alcatel-Lucent por 15.6 bilhões de euros, em uma operação que não tem nada a ver com o mundo dos smartphones ou tablets, mas sim com equipamentos de redes (incluindo as redes móveis). A Nokia pretende ainda vender o seu departamento de mapas HERE, com a Apple como a principal candidata na compra. E se eles pensam em voltar ao mercado mobile, jamais essa divisão seria vendida.

Tudo isso não descarta a possibilidade da Nokia vender ou ceder as suas patentes, tecnologias ou marcas para outras empresas em algum momento, para que aí sim sejam desenvolvidos novos dispositivos, tal como aconteceu com o N1 na China.

Em resumo: foi bom enquanto durou (15 anos como líder no mercado mobile), mas a página virou, o mundo hoje é outro, e vamos esquecer de uma vez por todas essa história da Nokia voltar a vender smartphones.

Via Reuters