O Nokia Developer Day, evento dedicado aos desenvolvedores para dispositivos Nokia, aconteceu ontem (21) em São Paulo. E diferente do que se imagina, não foram só tratados assuntos relacionados à criação de aplicativos para Symbian e Windows Phone. Durante o evento, os executivos da fabricante finlandesa presentes voltaram a afirmar que os primeiros smartphones da linha Lumia compatíveis com o Windows Phone 8, o Lumia 920 e o Lumia 820, chegarão ao mercado brasileiro entre janeiro e março de 2013, sendo que o Lumia 920 será compatível com o 4G brasileiro.

Essa era uma das dúvidas mais questionadas pela maioria dos usuários e fãs da Nokia no Brasil, algo que já era especulado desde a última visita  de Stephen Elop, CEO da empresa, no país. Mesmo com a expansão das redes 4G em um ritmo muito mais lento do que o desejado, é importante para os fabricantes oferecerem o quanto antes produtos compatíveis com essa nova rede, buscando conquistar esses clientes em potencial.

O Lumia 920 estava disponível para degustação durante o Nokia Developer Day, e se apresenta mesmo como o próximo modelo top de linha da Nokia. A boa notícia é que não apenas o modelo melhor (e teoricamente, mais caro) vai receber a compatibilidade com o 4G. O Nokia Lumia 820, versão de linha média do smartphone com Windows Phone 8, também será compatível com o padrão brasileiro da rede de dados de quarta geração.

A Nokia não revela os preços dos produtos. O presidente da Nokia no Brasil, Almir Narcizo, apenas afirma que os aparelhos serão vendidos por aqui com “preços bem bacanas”. Agora, caro Almir… defina “bem bacanas”, na sua concepção! Smartphones custando R$ 1.999 e R$ 1.699 não são preços “bacanas” para a maioria dos usuários de tecnologia no Brasil (ou pelo menos para a grande maioria que deseja comprar esses produtos).

De qualquer forma, o desafio da Nokia vai ser posicionar esses dois modelos em pé de igualdade com os principais adversários no mercado (iPhone 5 e Galaxy S III), não só no fator preço, que é algo muito importante na hora da compra de um produto, mas principalmente, na relação custo/benefício. Quem vai comprar um smart com Windows Phone tem como principal obstáculo a baixa oferta de aplicativos ofertados (120 mil nesse momento). Para os usuários causais, isso pode não ser um grande obstáculo. Mas para os heavy users, passa a ser um problema. A não ser que compre o smartphone como segundo telefone mesmo. Mas… pagar tão caro para um papel secundário? Complicado isso…

Via Exame