Cecilia-Abadie

Quando uma tecnologia é muito nova, é normal que todos fiquem confusos sobre o que podemos ou não fazer com ela. Até porque as legislações avançam em uma velocidade muito menor que a tecnologia como um todo. Dito isso, os “pequenos problemas legais” envolvendo o Google Glass começam a aparecer.

Não faz muito tempo que escrevi no blog sobre um engenheiro que foi convidado a se retirar de um restaurante por utilizar o Google Glass dentro do estabelecimento – algo que, supostamente, violava as políticas do local (clique aqui para ler). Agora, temos essa moça da foto acima, Cecilia Abadie, que está entre as 10 mil felizardas do primeiro lote do óculos inteligente do Google, que por sua vez, também se envolveu em problemas por conta do óculos.

O caso é o seguinte: a citada condutora, residente em uma cidade do estado da Califórnia, conduzia o seu veículo em uma velocidade maior do que poderia em uma das rodovias do estado. Por conta disso, foi parada pela polícia. O agente rodoviário que a abordou detectou que, não apenas a condutora estava em uma velocidade maior que a permitida, como também utilizava o Google Glass ao dirigir.

Resultado: Cecilia recebeu uma multa dobrada.

O motivo para a multa vir em dobro está no fato em que a condutora estava utilizando um elemento que potencialmente poderia distrair a sua atenção ao volante. Cecilia se defende das acusações, com o argumento mais óbvio (nesse momento): não há nenhuma lei que impede que alguém dirija utilizando óculos, por mais moderno que esse óculos seja. Além disso, ela argumenta que as leis da Califórnia permitem o uso de câmeras integradas ao carro, algo que o Google Glass também possui.

Como podemos ver, existe um claro vácuo legal sobre o assunto, de modo que a Justiça e os tribunais terão que se posicionar sobre o assunto. Vamos acompanhar a questão de perto.

Via Associated Press