Surpreso com os lançamentos que a Microsoft anunciou ontem (19/06) em Los Angeles? Pois é, você não está sozinho. A redução e conversão do Surface para o formato de tablet pegou muita gente de surpresa, mas mais ainda o fato da Microsoft indicar o produto tanto para o consumidor doméstico quanto para os profissionais que exigem potência de processamento e total compatibilidade com suas ferramentas de produtividade habituais.

O Surface for Windows RT e o Surface for Windows 8 Pro são, portanto, produtos sensivelmente diferentes, apesar do que possa parecer no seu exterior, de modo que convido você a ver melhor suas diferenças abaixo.

Surface for Windows RT

– Processador: ARM, fabricado pela NVIDIA
– Peso: 676 gramas
– Espessura: 9,3 mm
– Tela: 10,6 polegadas, capacitiva, HD ClearType
– Bateria: 31,5 Wh
– I/O: microSD, USB 2.0, Micro HD Video, antenas MIMO 2×2
– Software: Windows RT + Office Home & Student 2013 RT
– Acessórios: Touch Cover, Type Cover, VaporMg Case & Stand
– Capacidade: 32/64 GB
– Disponibilidade: na mesma época do lançamento do Windows 8 (terceiro trimestre de 2012)
– Preço: a ser anunciado

Surface for Windows 8 Pro

– Processador: Intel Core i5 (Ivy Bridge)
– Peso: 903 gramas
– Espessura: 13,5 mm
– Tela: 10,6 polegadas, capacitiva, Full HD (1080p) ClearType
– Bateria: 42 Wh
– I/O: microSDXC, USB 3.0, Micro HD Video, antenas MIMO 2×3
– Software: Windows 8 Pro
– Acessórios: Touch Cover, Type Cover, VaporMg Case & Stand, Pen com Palm Block
– Capacidade 64/128 GB
– Disponibilidade: três meses depois do lançamento do Windows 8
– Preço: a ser anunciado

Como você pode ver, a Microsoft organizou de forma muito clara a estrutura de hardware (e preços, mesmo sem revelar quais) do Surface. De um lato, temos o modelo ARM, de baixo consumo e mais acessível, e por outro, a versão Intel, cujo apelido “Pro” basicamente serve de cartão de visitas para um hardware mais potente e completo, mas também um pouco mais pesado, mais espesso e (obviamente) sensivelmente mais caro. O primeiro confirma a tendência dos tablets ARM já disponíveis no mercado, enquanto que o segundo fica acima de todos eles, quase chegando na categoria dos ultrabooks.

Um ponto que pode inicialmente deixar a todos um pouco confusos é a informação que o Surface vai usar uma porta USB 2.0. Isso está correto, mas somente na versão ARM, e o mesmo acontece com o leitor de cartões microSDXC. É de se supor (porque a esta altura do campeonato não podemos fazer muito além disso) que a plataforma ainda não é suficiente madura para suportar o processador Ivy Bridge, ainda mais se beneficiando com telas de 1080p. Desconhecemos a resolução do modelo com Windows RT, mas se a Microsoft só disse “HD” na sua apresentação, imaginamos que sua resolução será de 1366 x 768.

Curiosamente, a versão mais simples do produto vai oferecer o Microsoft Office de série, como parte do Windows RT, enquanto que o Surface for Windows 8 Pro não vai receber o pacote de escritório, mesmo tendo a sua orientação profissional e preço superior. Mas isso é algo que não vale a pena tanta preocupação para as grandes empresas que compram as suas licenças de produtos a preços elevados, mas talvez conseguirá afugentar os hard users, que esperavam um produto completo na parte de programas.

Como você pode ver, há muito mais diferenças entre os dois modelos do que poderíamos encontrar à primeira vista, ainda que no fundo os dois busquem o mesmo: colocar um freio no domínio atual do Android e iOS, e cravar o nome da Microsoft no mercado de tablets.

E a pergunta é: será que está certa essa história de “se quer algo bem feito, faça você mesmo”?

Via Engadget