MicrosoftPen

O Microsoft Pen é parte de um programa que visa padronizar as características dos digitalizadores e lápis óticos no Windows 10, sendo este um elemento chave para o Windows Ink.

Em 2015, o número de dispositivos habilitados para o uso de lápis óticos duplicou. Um reflexo da maior venda de tablets premium, dispositivos 2 em 1 e conversíveis, que são os modelos mais atraentes da computação atual, impedindo que o mercado de PCs morra de vez. Na BUILD 2016, a Microsoft deu atenção especial ao tema, com a apresentação do Windows Ink, uma das novidades que chegará com a próxima versão do Windows 10 Anniversary, que estreia no meio do ano.

A Microsoft o descreve como “uma nova experiência que coloca a potência do Windows na ponta de um lápis ótico”. Permite a escrita no dispositivo tal e como seria feito no papel, criando notas ou desenhando em uma folha branca. o Windows Ink reconhece a escrita à mão e adiciona um menu especial Quick Notes, que é ativado quando aproximamos o lápis da tela. Estará integrado em aplicativos como Mapas, Microsoft Edge e Office, além de softwares de terceiros.

A Microsoft fechou um acordo com a Wacom para criar a produzir soluções, mas as últimas informações mostram que o Microsoft Pen vai além disso, padronizando seu uso com Windows 10 com a ajuda dos principais fabricantes do setor.

pen-program_02

Para isso, a Microsoft vai oferecer uma “solução chave para a compatibilidade com o Windows Ink”, que incluirá uma lista de especificações para o stylus e o digitalizador. A lista de parceiros inclui nomes como Wacom, Sunwoda, APS, Elan, Synaptics, SiS, Goodix, EETI e Atmel, além da N-trig, adquirida pela gigante de Redmond e responsável pelo lápis ótico presente no Surface Pro 4. Já são anunciados suportes para modelos como o novo Wacom G13, uma stylus com suporte para 4096 níveis de pressão, detecção de inclinação e outras características avançadas.