microsoft-40-anos

Pouquíssimas empresas do segmento de tecnologia chegaram tão longe. Ainda mais se mantendo em evidência ao longo de 40 anos. A Microsoft que dominou o mundo da informática por mais de uma década segue como referência mundial. Amada, odiada e amada de novo (ultimamente), a gigante de Redmond completa hoje 40 anos de vida.

E alcança a marca passando por uma verdadeira revolução interna, impulsionada pela chegada de Satya Nadella ao posto de CEO de uma empresa que parecia chegar tarde demais nas tendências de quase tudo. Porém, depois de 40 anos, a Microsoft parece estar mais disposta do que nunca a recuperar o tempo perdido.

 

Um computador em cada escritório de cada lar

É impossível condensar em um post 40 anos de história. Várias conquistas e lendas perseguem a empresa que teve a visão e ambição necessárias para cobrir um espaço que naquele momento poucos compreendiam. O próprio Steve Jobs disse isso muito bem (a partir do minuto 8:50 do vídeo abaixo) na célebre entrevista conjunta que ele e Bill Gates concederam na conferência D5, promovida pelo jornal The Wall Street Journal:

Bom, Bill construiu a primeira empresa de software da indústria, e a construiu antes que nós da indústria soubéssemos o que era uma empresa de software.

Nesse caminho, a Microsoft fez coisas questionáveis sim. Mas uma coisa é certa: o que a Microsoft fez permitiu que centenas de milhões de pessoas colocassem um computador em suas vidas. O Windows, o sistema operacional que ainda hoje mantem uma fatia de mercado enorme no segmento de PCs e portáteis, foi se adaptando ao longo dos tempos. Nem sempre com acertos, mas entre os seus méritos está o fato de saber evoluir e responder às críticas e necessidades dos usuários.

Mas a Microsoft foi muito mais que o Windows. Em 40 anos de história, vimos como a empresa transformou o local de trabalho tradicional com uma suíte de escritório que segue sendo a padrão no mercado (Microsoft Office), e também vimos a chegada de um console que parecia não oferecer muitas opções, e quase 14 anos após o seu lançamento, se adaptou bem ao mercado.

A Microsoft fracassou em vários cenários por se adiantar ao seu tempo: apresentou o Tablet PC em 2002, e depois apostou nos Pocket PCs e nos primeiros smartphones com Windows. Apostaram em um futuro que eles mesmos não estavam preparados, que dirá os usuários. Nem no hardware, nem pelo software.

Essas apostas tiveram que esperar a compra da Nokia, e agora a empresa tem um grande desafio: inserir o Windows 10 no mercado, que promete muita coisa, mas precisa mostrar o seu valor no mercado mobile.

A Microsoft também chegou tarde no universo da computação na nuvem que hoje domina o mundo. Agora e empresa tem o Azure, que é provavelmente o único rival real da Google e da Amazon. Não nos esqueçamos também das soluções empresariais (Windows Server, SQL Server, Exchange, Sharepoint, etc), que hoje são fundamentais para o funcionamento de diversas empresas ao redor do planeta.

 

Bill Gates, 40 anos depois

microsoft-40-anos-first-team

Bill Gates escreveu ontem (03) uma carta para os funcionários da Microsoft, onde ele dava o seu ponto de vista desses 40 anos. Ele destacou que o passado, ainda que muito importante, não é tão importante como um futuro em que ele espera que a empresa que ele criou ao lado de Paul Allen continue a seguir ajudando a fazer com que o setor de informática seja tão ou mais importante que é agora.

A seguir, a tradução da carta enviada por Bill Gates:

“Amanhã é um dia especia: o 40º aniversário da Microsoft.

No começo, Paul Allen e eu nos impusemos como objetivo oferecer um computador no escritório de cada lar. Era uma ideia audaciosa, e muita gente pensou que estávamos loucos ao imaginar que algo assim era possível. É incrível pensar no quão longe a informática chegou desde então, e podemos ficar orgulhosos do papel que a Microsoft desenvolveu nessa revolução.

Hoje, porém, estou pensando muito mais no futuro da Microsoft do que no seu passado. Acredito que a informática vai evoluir mais rápido nos próximos 10 anos do que o que nunca antes foi feito. Já vivemos em um mundo multi-plataforma, e a informática se fará ainda mais onipresente. Estamos chegando a um ponto em que os computadores e os robôs serão capazes de ver, fazer e interagir de forma natural, em novas atividades, e dando ainda mais poder para as pessoas.

Sob a liderança de Satya Nadella, a Microsoft está em uma posição melhor do que nunca para liderar esses avanços. Contamos com os recursos e a motivação para resolver problemas difíceis. Estamos comprometidos em todas as facetas da computação moderna, e temos o compromisso absoluto com a pesquisa nessa indústria. Na minha qualidade de assessor técnico de Satya, posso me unir ao desenvolvimento de produtos, e me impressionar com a visão e o talento do que vejo. Os resultados são evidentes em produtos como Cortana, Skype Translator e HoloLens – e estas são algumas das muitas inovações a caminho.

Nos próximos anos, a Microsoft tem a oportunidade de ajudar a mais pessoas e organizações em todo o planeta. A tecnologia está ainda fora do alcance de muita gente, porque é complexa ou cara, ou porque simplesmente não se tem acesso à ela. De modo que espero que pensem sobre o que podemos fazer para que o poder da tecnologia seja acessível para todos, que conecte as pessoas, e que faça com que a informática pessoal esteja em todas as partes, inclusive como a noção de que o que oferece um PC pode abrir o caminho para todos os dispositivos.

Conquistamos muito juntos durante os primeiros 40 anos, e damos esse poder para incontáveis empresas e pessoas para que eles desenvolvam todo o seu potencial. Mas o que mais importa agora é o que vem a seguir. Obrigado por nos ajudar a fazer da Microsoft uma grande empresa, tanto agora como nas próximas décadas.”

Parabéns por esses 40 anos, Microsoft. Que sejam muitos outro anos, e que continuem a se reinventar de tempos em tempos.