PC

A sangria do mercado de PC continua. Segundo a Gertner, a queda na venda de computadores no segundo trimestre de 2017 foi de 4,3%.

Seria o décimo trimestre consecutivo de quedas nas vendas, com 61,1 milhões de unidades vendidas em todo o mundo, registrando números semelhantes a 2007. Esta é a pior década do mercado PC desde o Personal Computer da IBM.

Nos fabricantes, a HP foi a grande vencedora do trimestre, recuperando a primeira posição global de vendas, com um aumento de 3,3% e conta de mercado de 20,8%. A Lenovo sofreu uma grande queda (8%), enquanto que a Apple subiu para a quarta posição, mesmo com queda nas vendas.

Os dados preliminares da Gartner para o trimestre confirmam a concentração de vendas em HP, Lenovo e Dell, com grande queda da ASUS, Acer e outros.

 

 

 

Por que o mercado de PC segue em queda livre?

 

A Gartner cita o aumento do valor médio dos computadores pessoais como uma das causas, por conta do impacto da escassez de componentes das memórias DRAM, SSDs e telas LCD, o que fez com que os preços subissem no mundo todo. Porém, outros motivos mais profundos como crises econômicas em algumas regiões e o grande aumento do dólar também explica a queda nas vendas.

Também não podemos nos esquecer da era da mobilidade, onde smartphones e tablets substituíram o PC para muita gente, apesar de que para muitos o computador ainda é o seu principal equipamento informático.

Nem o novo Windows, nem as novas plataformas de processamento animaram as vendas em massa. Este é o momento com melhor oferta de computadores, e a verdade é que o cliente de PC hoje mantém por mais tempo os seus equipamentos. De um ciclo de atualização estimado em quatro anos, passamos para seis anos rapidamente. E o aumento de preços só piora tudo.

É certo que a venda de componentes, periféricos e acessórios não entram na conta das vendas, e são um aporte de receita importante para o setor. Não há dados precisos, mas tudo indica que esse segmento está melhorando conforme os usuários atualizam seus equipamentos.

Vamos ver o que acontece nos próximos trimestres. De acordo com o IDC, o mercado de PC não voltará a crescer até 2019.