Um ano depois do fechamento do Megaupload, marcado pela invasão dos agentes do governo dos Estados Unidos à mansão de Kim Dotcom, chega ao mundo o MEGA, o novo serviço de armazenamento de arquivos na nuvem, ou a forma como Kim Dotcom pretende vencer a briga contra o governo norte-americano (palavras dele). O site The Next Web teve acesso antecipado ao serviço, e nesse post, vamos mostrá-lo em detalhes.

O MEGA chega ao mundo hoje, 19 de janeiro, exatamente no dia do aniversário da polêmica invasão à mansão de Kim Dotcom. Para lançar o novo serviço, o magnata da internet organizou um grande evento de imprensa em sua mansão na Nova Zelândia (bem longe das autoridades dos Estados Unidos), que segundo algumas fontes, promete ser “inesquecível”.

O novo MEGA chegará ao mundo com muitos olhos curiosos, tanto dos usuários como de diversas instituições, principalmente as produtoras de conteúdo e órgãos responsáveis pela preservação dos direitos autorais, incluindo os responsáveis pela extradição de Kim Dotcom dos Estados Unidos. A grande jogada do MEGA está na presença de um disco de armazenamento de arquivos seguros na nuvem, que trabalha com uma chave de segurança RSA de 2048 bits, para que os usuários possam acessar os arquivos armazenados.

Uma das primeiras surpresas que os usuários terão na hora de acessar o MEGA é que a empresa decidiu liberar logo de cara todo o potencial de sua nova página no Google Chrome, mas eles prometem um suporte melhor para os outros navegadores disponíveis no mercado nos próximos meses. Durante a criação da conta no MEGA, a plataforma pergunta ao usuários detalhes específicos, como nome, e-mail e endereço completos.

Uma vez realizado o processo de registro, os usuários poderão acessar o MEGA, onde encontrarão uma interface simples e limpa, muito similar ao que encontramos hoje no Dropbox. O processo de upload de arquivos é igualmente simples. Basta você escolher o arquivo ou pasta a ser enviada, e o upload começa em tempo real, sem a necessidade de atualizar a página.

Para um futuro próximo, a empresa planeja incorporar a utilização de aplicativos móveis em formato multiplataforma e para desktops nos sistemas Windows, Linux e Mac, onde os usuários poderão subir os seus arquivos em uma pasta do equipamento, e a partir daí, enviar para o MEGA Drive diretamente, uma vez que o equipamento estará conectado na internet.

Porém, a parte mais interessante do novo MEGA segue sendo o compartilhamento de arquivos. Basta que o usuário selecione a opção de compartilhar o arquivo sem uma senha, que o sistema já faz o envio por outro canal seguro. A empresa garante que o modo de segurança criptográfica do novo MEGA depende da confidencialidade que os usuários vão tratar os seus próprios arquivos.

Para que isso seja possível, e o envio dos links entre os usuários seja feito de modo seguro, o MEGA incluiu um componente de mensagens interna para os membros do serviço. Cada pessoa cadastrada no novo MEGA vai receber um plano gratuito de 50 GB de armazenamento. Porém, existem planos pagos com capacidades muito generosas, se compararmos com os seus concorrentes diretos (Dropbox e SkyDrive).

Para você ter uma ideia, o plano básico de 9.99 euros/mês oferece ao usuário até 500 GB de armazenamento, e 1 TB de largura de banda. Nesse aspecto, o MEGA não tem concorrentes, e para quem pretende armazenar uma grande quantidade de dados, parece ser mesmo a melhor escolha. Vale registrar que os serviços pagos não poderão ser adquiridos diretamente do MEGA. Os clientes precisarão adquirir um código pré-pago em distribuidores associados (ainda não divulgados).

A empresa revelou também que tem a intensão de oferecer serviços de videochamadas e chamadas telefônicas tradicionais nos próximos meses. Além disso, o centro de ajuda tem uma seção específica que informa sobre a legalidade do novo MEGA e a responsabilidade que os usuários possuem de cumprir os seus termos de uso. Esse centro de ajuda também esclarece algumas questões importantes, como por exemplo por que eles escolheram a Nova Zelândia para basear esse serviço na nuvem, por que o seu nome em algumas localidades é Aoteearoa, entre outras questões.

Está muito claro que Kim Dotcom e toda a equipe do MEGA tem grandes ambições para esse novo projeto. Apesar do seu fundador ter prometido uma versão segura daquilo que o Megaupload era, resta saber se o mercado de usuários vai abraçar essa nova/velha plataforma.