mark-zuckerberg-facebook-data-center-artico

Uma forma eficiente de controlar a elevada temperatura de um data center é colocá-lo em um local com baixas temperaturas. No caso do Facebook, na cidade de Luleå, a 110 quilômetros do Círculo Polar Ártico.

Mark Zuckerberg mostrou em detalhes as futuras instalações do primeiro data center do Facebook fora dos Estados Unidos. O local tem um ar de ficção científica pela quantidade e tamanho dos elementos, mas esconde interessantes informações técnicas.

 

mark-zuckerberg-facebook-data-center-artico-02

 

O que mais chama a atenção nas imagens são os grandes ventiladores utilizados para recolher o ar frio do ambiente externo e refrigerar os milhares de equipamentos e servidores no seu interior.

Quando a temperatura alcança os -30 graus, são os próprios servidores que compensam o calor das salas, sem risco de superaquecimentos.

150 pessoas trabalham nesse data center, mas os corredores estão normalmente vazios por causa de um sistema de funcionamento muito simplificado, com alta velocidade de reparação. Basta um técnico para cada 25 mil servidores, e em poucos minutos os problemas que precisavam de uma hora de trabalho são resolvidos.

Seis campos de futebol com dados

 

mark-zuckerberg-facebook-data-center-artico-03

 

São instalações que ocupam o espaço equivalente a seis campos de futebol. A área principal é tão grande que os engenheiros se movem com scooters. Uma máquina imensa e perfeitamente orquestrada, que nas fotos se mostra limpa e imponente, onde todos os elementos são modelos de referência para o mais moderno entre os data centers disponíveis hoje.

Esse último centro de dados do Facebook foi criado para respeitar o meio ambiente e se energeticamente muito eficiente. A empresa está desenvolvendo esse tipo de infraestrutura desde 2011, seguindo a iniciativa Open Compute Project (OCP), do qual também fazem parte Google, IBM ou Microsoft.

Estas instalações são 10% mais eficientes que outros data centers mantidos pelo Facebook, precisando de 40% menos energia para funcionar. A maior parte da energia necessária vem de centrais hidroelétricas.

 

mark-zuckerberg-facebook-data-center-artico-04 mark-zuckerberg-facebook-data-center-artico-05