O Light Phone foi apresentado ao mundo em 2015, e buscava dar vida a um celular que só servia como celular, e nada mais. O produto foi um sucesso, vendendo mais de 3 mil unidades.

Agora, chegou a hora de atualizá-lo. O Light Phone 2 mantem a sua essência minimalista, se mantendo essencialmente como um produto para realizar chamadas e enviar mensagens. Mas com um pouco mais de inteligência integrada.

O modelo do ano passado tinha uma ideia ótima, porém, muito limitada. O telefone não tinha nem som, nem vibração, o que obrigava o usuário a olhar para o telefone o tempo todo para saber quando estavam nos telefonando. Mesmo assim, o Light Phone superou as expectativas dos seus criadores.

O Light Phone 2 mantém a sua tela de tinta eletrônica e teclado iluminado de 10 dígitos. Se adicionariam o suporte ao 4G, WiFi, GPS, o envio de mensagens de texto com um teclado completo na horizontal, mapas básicos música e suporte para o Uber.

 

 

Com isso, o Light Phone 2 busca ser mais independente para o uso, além de contar agora com a vibração e um alto-falante para os tons de chamada, que podem inclusive servir para alarmes.

Seu processador é um Qualcomm Snapdragon 210, trabalhando com 1 GB de RAM, 8 GB de armazenamento e bateria de 500 mAh, que tem autonomia prometida de até cinco dias de uso. O dispositivo ainda recebe porta USB-C para recarga, conector de áudio de 3.5 mm e peso de apenas 80 gramas. O conjunto seria gerenciado pelo LightOS, um fork do Android.

O Light Phone 2 também está em campanha de crowdfunding no IndieGoGo, e se alcançar a meta de financiamento (US$ 250 mil), chega ao mercado em 2019. Seu preço é de US$ 250.