A Kodak já conheceu dias melhores. A triste realidade da empresa norte-americana passa pelo fim da produção de câmeras fotográficas, a venda de seu catálogo de propriedade intelectual e o bombardeio dos seus adversários, com uma série de processos por infração de patentes, com esta última se provando uma estratégia equivocada, sem resultar no melhor dos resultados.

Apesar de que no ano passado, a Kodak conseguiu que a Justiça dos Estados Unidos revisasse o seu caso contra a Apple e a RIM por violar supostamente um dos pontos de uma patente relacionada com a capacidade de exibir uma miniatura de uma foto capturada por uma câmera digital (um processo que já foi encerrado), a Comissão Internacional do Comércio dos EUA voltou a fechar as portas para os advogados da Kodak.

Segundo o veredito emitido pelo juiz Thomas Pender, os conteúdos existentes na seção em disputa são de “tamanha obviedade”, que resultam como inválidos. Além disso, a Kodak insiste em acusar os seus rivais de violarem os direitos sobre sua propriedade intelectual, o que pode soar um tanto quanto risível diante do cenário da empresa, e das condições estabelecidas pela Kodak para que isso aconteça.

O veredito final deve ser aprovado pelos seis membros da Comissão norte-americana, que devem dar o caso por encerrado no dia 21 de setembro.

Via CNET