Olha como o mundo é irônico: o diretor executivo da Linux Foundation declarou que 2017 “é o ano do Linux no desktop” (nossa, quantas vezes já li isso nos últimos anos…), mas ele mesmo usa o Mac.

Deixando um pouco de lado o respeito à liberdade de escolha que todo mundo tem… isso aqui é uma piada!

Na abertura da Open Source Summit 2017, Jim Zemlin fez a tal declaração, que foi compartilhada na conta da Linux Foundation no Twitter. Horas depois, o desenvolvedor Matthew Garret compartilhou o que pensa dessa declaração, também no Twitter.

A frase de Zemlin está fora de contexto. O executivo falava sobre o avanço do código aberto e do Linux, e em dado momento afirmou que “em cada mercado que o Linux entrou, ele não só fez bem, mas chegou a dominar por completo”.

Obviamente, a afirmação só é verdadeira se excluímos o universo do PC.

Então, para animar a galera presente, Zemlin lançou a frase: “repitam comigo: 2017 é o ano do Linux nos desktops”. E foi exatamente isso o que aconteceu.

Na prática, essa brincadeira nem está perto de ser levada a sério. Por outro lado… quem realmente se importa?

O crescimento do Linux no PC se mantém em bom ritmo, e a plataforma móvel, a mais popular do planeta, é dominada pelo Linux, apesar do Android não ser o Linux que muitos gostariam que fosse.

Sobre o sistema operacional que Zemlin decidiu utilizar, vale lembrar que tudo o que ele faz em seu Mac ele (muito provavelmente) poderia fazer em qualquer distribuição Linux, o que o deixa em posição contraditória em relação ao que ele mesmo pregou.

Porém, todo mundo é livre para escolher o que quiser, e a Linux Foundation nunca se valorizou por dar especial importância aos desktops.

 

Via It’s FOSS, Server Watch