Minha avó está certa: “quem tem pressa, come cru”. E eu completo esse sábio provérbio com um “quem tem pressa, paga mais caro”. Se você é um daqueles que não admite esperar de três a quatro semanas para ter o novo iPhone 5 nas mãos, suas alternativas são bem restritas. Mas pelo menos uma delas é bem direta, e certamente vai resolver o seu problema: viaje para Hong Kong.

Não me pergunte como isso está acontecendo, e para me precaver de futuros xingamentos, podemos estar diante de mais um caso de uma falsificação bem real. De qualquer forma, o pessoal do site MacRumors conseguiu conversar com o Sr. Lo da foto acima, que está vendendo o iPhone 5 em sua modesta loja de “mercado alternativo” de produtos eletrônicos.

É difícil julgar apenas por uma foto, mas ao que tudo indica (e apostando na credibilidade da fonte), estamos diante de uma unidade real do novo smartphone da Apple. O Sr. Lo até explica como o esquema funciona: os comerciantes asiáticos contratam courires “secretos” para adquirir as unidades do produto diretamente nas operadoras e em outros fornecedores nos países que já estão recebendo as primeiras unidades do smartphone, que são enviadas para Hong Kong, para serem vendidas nessas banquinhas. Resumindo: contrabando (já que as autoridades fiscais de Hong Kong nem sonham que tais produtos entram no país).

O mais curioso é que o produto final sai desses mesmos países asiáticos para serem comercializados nos mercados ocidentais. E, mesmo com Hong Kong fazendo parte da primeira leva de países a receber o novo iPhone, acaba sendo um grande negócio explorar a pressa dos fanáticos por tecnologia. Agora, como essa unidade foi parar na mão do Sr. Lo, não me pergunte.

O modelo vendido em Hong Kong é desbloqueado, e sem vínculos com operadoras. Para se ter uma ideia do superfaturamento que o Sr. Lo está fazendo no seu “golpe de mestre”, esse mesmo iPhone 5 nos Estados Unidos, nas mesmas condições descritas, tem preço sugerido de US$ 720. E o nosso amigo acima quer US$ 1.100.

E aí? Vale o investimento? Bom, levando em conta que ele será lançado nos Estados Unidos amanhã (21), eu acho que não. A não ser que você realmente não possa esperar de três a quatro semanas para ter um novo iPhone.

Via MacRumors