iOS 11

Não existe sistema operacional perfeito, ou que chega ao mundo isento de problemas. E com o iOS 11, não seria diferente.

Nesse post, compilamos alguns dos problemas que os primeiros usuários detectaram na versão final do sistema operacional da Apple, até mesmo para você se precaver antes de atualizar o seu dispositivo (ou já ficar ciente depois do update).

 

 

Inconsistências no design

 

 

Muitos usuários encontraram algumas inconsistências nos diversos apps que acompanham o iOS 11.

Na maioria dos casos são pequenos detalhes que até passam desapercebido para a maioria, mas os designers e os mais atentos chegam a ter pesadelos com esses problemas.

 

 

Textos mais carregados no app da App Store do que no Apple Music, alinhamentos aleatórios de apps, resultados de pesquisa com efeito hover em alguns apps e em outros não, funcionamento da caixa de pesquisa do spotlight diferente, entre outras anormalidades foram detectadas.

Antes, a Apple maravilhava os usuários destacando efeitos na transição de ícones. Agora, tais falhas mancham um pouco a reputação para quem presta atenção nos mínimos detalhes.

 

 

Apesar dos aplicativos hoje serem mais complexos no seu desenvolvimento, isso não é desculpa para que tais discrepâncias cheguem ao usuário final.

 

 

Central de Controle não desliga o Bluetooth e o WiFi

 

 

Quando acessamos a Central de Notificações do iOS 11, mesmo que você desligue o WiFi e o Bluetooth na interface, nenhum dos dois recursos vão realmente desligar no smartphone. Os dois ficam ativos em segundo plano.

O vídeo no final do post mostra o comportamento anormal, com recursos ativos em segundo plano, como AirDrop, serviços de geolocalização e conectividade com Apple Watch. Repito: mesmo com o usuário dando o comando para desligar tais recursos.

Ou seja, quando você dá o comando para desligar os recursos, o iPhone/iPad com iOS 11 não vai se desconectar de forma imediata aos acessórios Bluetooth conectados à ele.

Ou seja, ele fica conectado ao Apple Watch, Apple Pencil ou Air Pods, evitando a obrigatoriedade de ligar novamente o Bluetooth e esperar que os gadgets se emparelhem.

O problema aqui é a vulnerabilidade que o usuário fica exposto a ameaças virtuais e ataques aos dispositivos por essas portas de entrada. Sem falar que é um gasto de bateria desnecessário.

Nem todo mundo ficará contente com essa conveniência de deixar tudo conectado. Por outro lado, a maioria nem vai perceber que o WiFI e o Bluetooth continuam ligados.