Segundo o estudo divulgado pela Telebrasil, que é a associação de empresas de telecomunicações que atuam em território nacional, o número de conexões móveis para acesso à internet cresceu 74% no Brasil em um ano. Se comparado ao mesmo período de 2011 (mês de outubro), o crescimento é de 53%, e o total de acessos em banda larga alcançou a marca de 85 milhões.

São aproximadamente 65.5 milhões de conexões móveis no Brasil, segundo os dados do estudo. Desses, temos 52.5 milhões de celulares e smartphones compatíveis com as redes 3G, e mais de 13 milhões de terminais de dados, como modems 3G e chips de conexão máquina a máquina (M2M), usados nos terminais de pagamento de cartões de crédito. O estudo da Telebrasil não cita se nessa conta estão inclusos os tablets compatíveis com as redes 3G, com slot para chip integrado no dispositivo.

3.127 municípios brasileiros contam com acesso à internet móvel, onde 87% da população brasileira reside. 477 municípios brasileiros começaram a receber os serviços de internet via redes 3G em 2012, e por causa desse crescimento, uma nova conexão 3G é realizada cada segundo no Brasil. O número impressiona, mas se explica por outros fatores: smartphones e/ou celulares compatíveis com as redes 3G com preços mais acessíveis, planos mais atraentes das operadoras, e uma maior oferta de conexões na modalidade pré-paga.

O crescimento do acesso à internet no Brasil não se limita às redes móveis. A banda larga fixa também registrou um crescimento, mas bem mais discretos do que os acessos móveis: em um ano, a banda larga fixa cresceu cerca de 9%, alcançando a marca de 20 milhões de conexões, distribuídos em residências e pontos comerciais. Aqui, temos como principal reflexo os programas de Banda Larga Popular.

Por fim, a velocidade média da banda larga fixa brasileira também aumentou em 50% nos últimos 12 meses, alcançando os 2 megabits por segundo. O que ainda é bem longe do ideal (ou daquilo que sonhamos para chamar de “banda larga”).