A Intel é uma das maiores parceiras da Campus Party Brasil 2013. Logo, tem grande participação no evento. Mas soube aproveitar bem o espaço. Com o maior espaço disponível na Área Expo do evento, eles atacaram por todos os lados, e venderam da melhor forma possível o que a sua tecnologia de processadores pode oferecer de verdade para o consumidor final.

Uma das missões da Intel no planeta é divulgar a plataforma de Ultrabooks como algo viável para quem precisa de um computador portátil. E eles fizeram isso, disponibilizando equipamentos com Windows 8 para testes públicos. Além de mostrar os benefícios do novo sistema operacional da Microsoft, fabricantes como CCE, Sony, LG e Dell puderam mostrar as suas opções de ultraportáteis, em um mesmo espaço, e todos com o respaldo da Intel.

Não só para mostrar o desempenho desses novos equipamentos, mas também a vantagem de poder testar esses diferentes produtos, que apesar de ainda contar com um preço elevado para o mercado brasileiro, já oferecem alternativas que podem agradar diferentes segmentos de público, indo de usuários casuais e estudantes até profissionais.

Os computadores com tela sensível ao toque também foram enfatizados no stand da Intel, e isso era mais que esperado. Afinal de contas, os principais benefícios do Windows 8 estão na sua interface totalmente adaptada às telas touchscreen, e com certeza os visitantes poderão conhecer melhor o novo sistema em um ambiente de teste livre como esse.

Mas o foco principal da Intel na sua área da Campus Party Brasil foi mesmo os games. Metade de sua área era formada por um grande palco em formato de estádio, para a realização do Intel Extreme Masters.

Nesse palco, as competições de jogos patrocinada pela Intel aconteceram para um grande público formado por amantes de games. Sem brincadeira, o clima era de torcida de futebol, e a gente sempre sabia quando acontecia uma competição por lá. O barulho que eles faziam ecoava por todo o Anhembi, independente de qualquer coisa que acontecesse na área dos campuseiros.

Mas não foram só os profissionais que puderam jogar por lá. Diversos computadores estavam liberados para que os visitantes pudessem jogar a vontade, com títulos com diferentes níveis de exigência em performance e gráficos. Isso, sem falar que a Motorola estava fazendo diversas competições de jogos, utilizando o Motorola RAZR i (com processador Intel) como dispositivo para jogos de videogame. Dessa forma, a Intel mostrava como os seus chips eram velozes e de boa qualidade, e em diferentes situações.

Alguns equipamentos foram adaptados com volantes para jogos de corrida, no estilo de simuladores de carros. Porém, isso pareceu não ser suficiente para a Intel, e eles quiseram ir um pouco além nessa proposta de simulação.

A Intel queria ver o visitante entrando de cabeça em algumas experiências. Em especial, nessa experiência de corridas. Dois simuladores de F1 foram instalados na Área Expo, passando toda a sensação de uma volta em uma pista, com as reações, vibrações e efeitos que um simulador desses pode reproduzir.

E todo mundo poderia ver o resultado da volta nos telões. Eu tive a chance de dar uma volta nesse simulador, e posso dizer que satisfaz as expectativas para uma proposta nesse nível. Bom, dá para matar um pouco as saudades dos jogos da série F1 (2011 e 2012) que me esperam em casa.