WhatsApp

 

A popularidade do WhatsApp é um forte argumento para os criminosos. E faz tempo que as tentativas de crimes acontecem. Mais cedo ou mais tarde, vamos ficar sabendo de mais uma tentativa de fraude pela plataforma.

O pishing no WhatsApp se tornou comum, infelizmente. Visam fazer com que usuários mais ingênuos paguem por serviços que não pediu, contratem outros que nunca ouviram falar, e se tornem vítimas das fraudes sem saber.

Como detectar essas fraudes via WhatsApp? O que fazer quando isso acontecer?

Esse post dá alguns conselhos que podem ajudar.

 

 

Publicidade não solicitada

 

Ofertas, descontos e vantagens que você recebeu via WhatsApp, com um link. Desconfie disso e pense dez vezes antes de clicar. Se você não solicitou tal publicidade, não há motivos para a marca contactar você.

Certifique-se que o número que envia a mensagem é o da empresa ou marca em questão. E, no caso do Android, não abra o link. Com certeza vai te mandar para um endereço que pode resultar na instalação de um malware no seu smartphone.

 

 

Teste de novos recursos

 

Ser o primeiro a testar um novo recurso no WhatsApp é outro chamariz de golpe.

De uma vez por todas: o WhatsApp não procede dessa forma. Novos recursos aparecem através de atualizações oficiais, e as versões Beta estão limitadas a um restrito grupo de usuários que jamais vão te convidar a testar o recurso com uma mensagem aleatória, vinda de um número desconhecido.

Desconfie de links desconhecidos e arquivos de instalação que não venham da Google Play ou Apple Store, ou de uma loja alternativa conhecida e confiável.

 

 

Truques impossíveis

 

Ler o que alguém escreve antes de enviar, escutar conversas alheias, saber se alguém realmente está online, desativar recursos que você não gosta… tudo balela!

Golpistas se aproveitam da insatisfação de alguns para aplicar seus crimes. Aqui, mais uma vez, desconfie de links e APKs não oficiais.

 

 

Correntes de mensagens

 

Um clássico herdado dos e-mails. Hoje, são populares nas redes sociais e apps de mensagens instantâneas.

Tem correntes que só querem propagar uma mentira, o que só representa perca de tempo na sua vida. Normalmente vem com as palavras REPASSE ou COMPARTILHE em algum lugar do texto. Ignore as duas palavras e pronto.

Já outros contam com um link, acompanhado de um texto com tema mentiroso. Exemplos: o WhatsApp vai fechar, será pago ou vão cancelar a sua conta se você não der um sinal de vida.

A pior parte desse tipo de corrente com link é que a mensagem é enviada pelos seus contatos conhecidos, o que aumenta as chances de você acreditar na mensagem. Vale lembrar que qualquer empresa ou serviço tem formas melhores de se comunicar diretamente com você para tais alertas.

Verifique a veracidade de uma corrente com uma simples pesquisa no Google, buscando por notícias relacionadas ao tema. Ou diretamente no site oficial da marca.

E, pelo menos por enquanto, o WhatsApp não é um canal oficial para esse tipo de mensagens. Principalmente no caso de bancos.

 

 

Melhor prevenir do que remediar

 

Em resumo:

– Desconfie de mensagens que vem de fontes ou telefones desconhecidos
– Cuidado com quem se passa por contatos conhecidos, amigos e familiares
– Desconfie quando oferecem algo que não se encontra na página ou canais oficiais da marca
– Desconfie de promoções que exigem o registro ou acesso à links externos
– Desconfie de correntes com uma ortografia e gramática que deixam a deejar
– Faça o download do WhatsApp nas lojas de aplicativos ou página oficial do app
– Verifique a veracidade de qualquer notícia ou comunicado compartilhado
– Desconfie de qualquer número desconhecido, principalmente daqueles mais curtos que o habitual
– Não abra links, sob nenhuma situação
– Quebre as correntes. Verifique se o conteúdo da corrente é confiável em fontes oficiais. Se não for, não compartilhe