Tablet Dell Venue 8

Segundo o relatório IDC Brazil Tablets Tracker 04, o mercado brasileiro de tablet encerrou o ano de 2014 com uma alta de 13% no volume de vendas, onde 96% foram para o consumidor final, 4% para o mercado corporativo, e 0.3% (31 mil unidades) são de notebooks com telas destacáveis.

Os resultados ficaram abaixo da projeção da IDC Brasil, que esperava a comercialização de pelo menos 10 milhões de unidades no país em 2014. A realidade atual é que o tablet não é mais uma novidade, e sofre da canibalização dos phablets. Além disso, a grande quantidade de aparelhos com baixa qualidade, que resultam em uma experiênca de uso prejudicada, impactaram as vendas do setor. Além disso, o Carnaval fora de época, a Copa do Mundo, as eleições e a alta do dólar no final de 2014 foram outros fatores que atrapalharam nas vendas dos tablets.

Venue 11i Pro Security Tablet with Travel Cover and Hand

Sobre os notebooks com tela destacável, as 31 mil unidades vendidas ficaram abaixo das expectativas, mas a IDC Brasil acredita que o segmento deve registrar aumento das vendas, com expectativas de vendas de 200 mil unidades para 2015, um aumento de 500% em relação a 2014.

Em 2014, a faixa de preço que mais se destacou foi a de tablets de até R$ 500, com cerca de 85% dos aparelhos comercializados. Aparelhos que custavam entre R$ 500 e R$ 1000 representaram 10%, e os acima de R$ 1000, apenas 5% do volume total de vendas.

Sobre o quarto trimestre de 2014 (entre outubro e dezembro), foram comercializados aproximadamente três milhões de tablets. Comparando com o mesmo período de 2013 não houve crescimento, mas considerando o desempenho do 3º trimestre de 2014, o aumento foi de 30%.

Para 2015, a IDC prevê uma retração de 3% no mercado e vendas de cerca de 9.3 milhões de tablets. Esse número é considerado conservador, por conta das incertezas que rondam os projetos de educação que serão (ou não) implementados pelo governo federal, das variações do dólar, e da conjuntura econômica nacional.

Via assessoria de imprensa