HTC-10-teaser

Tudo indica que sim.

Ver a HTC em queda livre não agrada a ninguém, já que falamos de um dos fabricantes mais tradicionais do mercado de smartphones, e criador de alguns dos modelos mais populares do seu tempo. Mas, infelizmente, esta é uma realidade que se reflete claramente nos seus resultados.

Os lucros obtidos no primeiro trimestre de 2016, em 14.8 bilhões de dólares taiwaneses, estão muito distantes dos 41.5 bilhões obtidos no mesmo período de 2015. São números negativos demais, incomodando investidores e executivos de altos postos na HTC. Mas o que realmente preocupa é que existe uma tendência deles não se recuperarem desse momento.

A empresa teve vários trimestres para se recuperar, mas não conseguiu. Logo, todos os movimentos foram tiros no escuro, que só aumentaram a ferida, demonstrando que seus executivos não sabem mais o que fazer para tornar a empresa grande de novo.

HTC

O fato de uma empresa deixar tão evidente que está perdida pode afetar a confiança dos investidores, resultando automaticamente em uma queda no valor de suas ações. Por outro lado, é preciso lembrar que a HTC foi uma das primeiras a postar na realidade virtual, e que o HTC Vivo é tecnicamente superior ao Oculus Rift, mas é mais caro. É preciso ver como essa nova aposta se sai, e se a chegada nesse novo mercado pode ajudar.

Na espera por ver o desempenho em novos horizontes, podemos concluir que a HTC tem que abrir os olhos de uma vez por todas, e entender que lançar smartphones que são apenas um “mais do mesmo” com preços muito elevados (o HTC 10 é um claro exemplo disso) não é o caminho a seguir. Definitivamente.

Via HTC