Brasil. Um dos países com maior destaque entre todas as potências emergentes (somos a sexta economia mundial), se transformou em um osso duro de roer para a HTC. Tanto que a fabricante taiwanesa desistiu do país, fechando a divisão nacional da empresa. De forma bem imbecil, na minha humilde opinião.

Segundo confirmou um porta-voz da empresa, “depois de uma cuidadosa análise do negócio da empresa no país”, eles tomaram a decisão de bater em retirada, de modo que a HTC vai desaparecer por completo no mercado brasileiro, exceto pela presença de uma equipe para oferecer assistência técnica aos produtos já comercializados.

O grande problema para a HTC e muitos outros fabricantes tem um nome: carga de impostos. O Brasil possui as taxas tributárias mais elevadas do mundo para alguns produtos importados. Empresas como a Foxconn, que fabricam iPhones e iPads no Brasil acabam recebendo incentivos fiscais, enquanto que a HTC deixou de produzir os seus produtos por aqui há tempos. Desde então, empresas como Samsung e Nokia tiraram vantagem em fabricar os seus produtos por aqui.

Por outro lado, o Brasil é sim um dos mercados mais cobiçados do mundo. E uma empresa como a HTC simplesmente “ficar com medinho e não querer ir para a briga” é uma decisão equivocada. Empresas com menor expressão internacional estão apostando no mercado brasileiro, e os demais fabricantes mostraram que mesmo a carga de impostos não pode ser a melhor desculpa para não apostar em um mercado promissor como o brasileiro.

Aqui, fica claro que foi preguiça da HTC em investir no Brasil. Descaso em ampliar suas operações, e principalmente, falta de criatividade em apresentar produtos interessantes e atraentes. O pior de tudo é que, agora que temos um modelo realmente interessante da HTC (o HTC One X), vamos ser obrigados a vê-lo pela internet, ou viajar para o exterior para comprá-lo.

Se bem que, por muitos anos, a HTC foi quase inexistente no Brasil mesmo… mas ainda assim, é lamentável.

Via Android Pit