Heliograf Rio 2016

A partir de hoje (06), muitas das notícias publicadas no site e nas redes sociais do Washington Post serão escritas pelo Heliograf, um avançado sistema de inteligência artificial que analisa a informações sobre os Jogos Olímpicos Rio 2016, para depois criar uma notícia e publica-la como se fosse um ser humano.

Muito se fala do aumento da participação dos robôs em diversos setores. E a partir de agora, eles passam a atuar no campo do jornalismo, agilizando as publicações em tempo real.

Heliograf, o novo cérebro do jornalismo

O sistema gera a informação pouco depois do fato acontecer, publicando pontuações, mudanças no quadro de medalhas, recordes e informações básicas. Com isso, os repórteres ficam mais livres na produção de conteúdos mais relevantes e complexos.

A ideia do Washington Post não é substituir o jornalista, mas sim oferecer maior liberdade e não dedicar esforços em notícias que dispensam análises e opinões de um especialista.

O Heliograf foi desenvolvido por Sam Han, chefe do departamento de ciência de dados do Washington Post. Com ele outros três engenheiros trabalham 24 horas por dia na supervisão do software de inteligência artificial.

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 é o primeiro grande evento que o sistema vai cobrir. Quatro redatores supervisionam tudo, e a ideia é que o Heliograf entre em ação novamente em novembro, durante as eleições presidenciais norte-americanas. Nesse evento, o sistema terá que redigir aproximadamente 500 notícias, além de publicar atualizações a cada minuto.

O objetivo aqui é aperfeiçoar o estilo e a redação do sistema, para que os leitores não percebam a diferença entre uma notícia criada por um jornalista de uma criada pelo Heliograf. No futuro, o sistema pode colaborar com jornalistas oferecendo informação em tempo real e alimentando a notícia com dados que o jornalista pode demorar para consultar.

Via Recode