Bill-Gates-Unveiled-Windows-30-Years-Ago

Você pode não gostar do Windows. É seu direito. Você pode achar o Windows “uma porcaria”. Também é seu direito (apesar de discordar de você). Agora, você não pode negar que foi o Windows o sistema operacional que mudou o rumo das coisas no mundo da informática de forma definitiva e decisiva, mais do que qualquer outro sistema  operacional lançado.

O Windows 1.01 foi oficialmente apresentado em 10 de novembro de 1983 pelo próprio Bill Gates, mas só chegou ao mercado dois anos depois, em 20 de novembro de 1985. E, mesmo assim, ainda não era um sistema operacional completo. Era uma interface gráfica do MS-DOS, sistema operacional principal.

Porém, mesmo que as primeiras versões do Windows não possam ser chamadas de sistemas operacionais independentes, elas já apresentavam recursos e funcionalidades típicas dos sistemas operacionais atuais, além de contar com arquivos que identificam os periféricos presentes no computador, denominados drivers.

O tempo e a história mostrou que o Windows se tornou o sistema dominante no mundo dos computadores pessoais, com mais de 90% de cota de mercado, derrotando inclusive o Mac OS, que foi apresentado ao mundo em 1984. Um dos motivos para isso acontecer não se limita a alguns recursos que o sistema da Apple não ofereciam na sua época (como, por exemplo, o “recortar e colar”), mas principalmente pela tática agressiva da Microsoft em fechar acordos exclusivos com os principais fabricantes de PCs e componentes.

Diferente do MS-DOS, o Windows permitia ao usuário a execução de múltiplos aplicativos em uma interface gráfica de forma simultânea, além de um multitarefa cooperativo funcional. Já contava com sistemas de memória virtual de software, permitindo assim a execução de aplicativos com maior tamanho que a memória física disponível no equipamento.

Avançando para o presente, a Microsoft lançou em outubro de 2013 o Windows 8.1, primeira grande atualização do Windows 8, lançado em 2012. Vai ser interessante ver como a Microsoft vai tornar o Windows vivo nos próximos anos, ainda mais levando em consideração que o mercado de PCs se torna algo cada vez mais de nicho, com fortes retrações em função das vendas cada vez maiores dos tablets e smartphones.

De qualquer forma, a marca deve ser comemorada sim. Ser líder de um segmento por 30 anos é algo muito difícil no mundo da tecnologia.

 

Via Gizmodo