A GVT expande sua atuação no Estado de São Paulo e lança operações em Campinas e Piracicaba, com a linha completa de telefonia fixa e banda larga a velocidades de até 100 Mbps. Juntos, os municípios somam 1,3 milhão de habitantes. Nessa expansão foi investido mais de R$ 75 milhões na construção da rede, com capacidade de 50 mil acessos de banda larga e de voz, o correspondente a 30% de cobertura geográfica em Campinas e 40% em Piracicaba.
 
Já os municípios de Sorocaba e Jundiaí foram as duas primeiras cidades do interior de São Paulo a contar com os serviços da operadora. O lançamento comercial aconteceu em agosto deste ano e há previsão de novas cidades no Estado até o começo de 2011. Além disso, a empresa deu um passo importante neste mês para oferecer velocidades maiores aos clientes de banda larga. Ela anunciou que, a partir de novembro, todos os usuários com velocidade de 3Mbps serão migrados gratuitamente para 5Mbps, que passa a ser a menor velocidade comercializada pela GVT. O valor da mensalidade, de R$ 49,90 dentro dos pacotes de telefonia, será mantido. E já está valendo a redução da mensalidade para a contratação da velocidade de 15 Mbps dentro dos pacotes de telefonia, a R$ 79,90.
 
As atividades da GVT no Estado de São Paulo envolvem a geração de aproximadamente 1.600 empregos diretos e indiretos na construção da rede, ações de vendas, atividades administrativas e instalações. A GVT criou estrutura própria com sedes locais nas quatro cidades ligadas à diretoria Regional de São Paulo, localizada na capital. As novas operações em São Paulo fazem parte do processo de expansão nacional da GVT, que teve início em 2007 com a entrada em Belo Horizonte, seguida de Contagem, Betim (MG) e Salvador (BA), em 2008; Vitória, Vila Velha e Serra (ES), Recife e Jaboatão dos Guararapes (PE) em 2009 e Fortaleza (CE), Campo Grande e João Pessoa (PB), Olinda (PE), Jundiaí e Sorocaba (SP) e Niterói (RJ) neste ano. A capital São Paulo deve contar com todos os serviços da GVT até a metade de 2011, com investimento inicial previsto de R$ 408 milhões.
 
Durante o período de pré-lançamento em Campinas foram feitas vendas dirigidas nas áreas onde a rede já estava pronta. Do total de vendas na cidade, cerca de 90% são planos com banda larga e desses, 95% são de velocidades iguais ou acima de 10 Mbps.

via assessoria de imprensa