amazon-fire-phone-front

O Greenpeace emitiu um comunicado criticando o já mal recebido Amazon Fire Phone. Segundo a organização ambiental, “o novo Fire Phone da Amazon é uma máquina da idade da pedra, no que se refere à energia obsoleta e contaminante que utiliza quando usam os serviços na nuvem da Amazon”.

Fica claro que o problema não é o smartphone em si, mas sim os servidores e centros de dados da Amazon. O Fire Phone armazena na nuvem diversos dados e atividades realizadas com o dispositivo automaticamente. A Amazon oferece um armazenamento ilimitado para os usuários desse dispositivo, mas o Greenpeace critica essa decisão, afirmando que isso só contribui para a contaminação do planeta com o aumento do uso dos servidores que a Amazon possui distribuídos ao redor do planeta.

Não faz muito tempo que o Greenpeace publicou o seu estudo que mostra as empresas de tecnologia melhor e pior avaliadas no respeito ao meio ambiente, e a infraestrutura da Amazon foi muito mal nesse quesito. Eles afirmam que o Amazon Web Services (AWS) ficou atrás dos seus competidores na hora de construir uma estrutura que funciona sobre fontes de energia renováveis, sendo a empresa menos transparente entre as avaliadas (15% de uso de energias renováveis).

A Apple foi a melhor avaliada pelo Greenpeace (100% de uso de energias renováveis), deixando a Google bem atrás (34%). O Greenpeace alerta que “o armazenamento de dados na nuvem não deveria prejudicar o meio ambiente, e se a Amazon quer oferecer um smartphone moderno aos seus clientes, pode começar potencializando suas operações com formas modernas de energia renovável, como a eólica ou a solar, que são utilizadas pelos adversários”.

Via Motherboard