Você não está lendo errado. Eu não digitei errado, não é uma notícia falsa, muito menos uma pegadinha que estamos fazendo com os leitores do TargetHD. Leia com atenção: a Gradiente lança hoje (18) a sua linha de smartphones, que recebe a denominação de Família IPHONE, com o Neo One (foto acima) sendo o primeiro modelo dessa linha a chegar no mercado. E o mais inusitado é que eles (dizem que) PODEM USAR A MARCA IPHONE no Brasil, porque são detentores exclusivos dos direitos de registro da marca no país (calma… não é bem assim…).

Eu achava que essas coisas só aconteciam no mercado asiático, ou em países quase sem representatividade no mercado de tecnologia. Mas essas pequenas peculiaridades de direitos de nome chegaram ao Brasil, e a Gradiente tem uma boa história para contar.

Presta atenção no que vem a seguir. Segundo informa a nota emitida pela própria Gradiente, em 2000, a empresa previu que uma revolução tecnológica aconteceria no mundo dos celulares, através da convergência da transmissão de recepção de voz e dados via internet móvel. E, para se garantir, naquele mesmo ano, a empresa entrou com um pedido de registro da marca IPHONE no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial). Em 2 de janeiro de 2008, a Gradiente obteve a concessão do registro pelo próprio órgão federal, e possui os direitos exclusivos de produção e comercialização do IPHONE no Brasil até 2018.

A nota prossegue. A Gradiente alega não ter usado a marca IPHONE até o momento porque sua prioridade foi promover a reestruturação da empresa no Brasil, para aí sim retomar os seus negócios. A Gradiente voltou ao mercado brasileiro em 2012, através do arrendamento e gestão das marcas da Gradiente pela Companhia Brasileira de Tecnologia Digital (CBTD). Eles agora são responsáveis pela produção e comercialização de toda a linha de produtos da empresa, como celulares, tablets, aparelhos de áudio e vídeo, máquinas fotográficas, monitores, produtos e informática, eletrônicos de consumo, entre outros.

Uma vez consolidado o modelo de negócios, a Gradiente decidiu que “esse é o momento” de trabalhar com a marca IPHONE no Brasil, colocando todos os smartphones da empresa dentro de uma única família. A Família IPHONE.

O comunicado conclui que a Gradiente reforça a sua característica de pioneirismo em inovação de tecnologia, lembrando que foi a primeira no Brasil a lançar produtos como áudio system, CD player, DVD, o “Meu Primeiro Gradiente”, entre outros produtos. Também relembra que foi a primeira a fabricar celulares no Brasil, se diferenciando no mercado por dar nomes aos aparelhos quando todas as outras apenas numeravam os modelos. Strike, Concept, Chroma e NEO foram alguns dos modelos que fizeram muito sucesso no Brasil na década de 1990.

Já o Gradiente IPHONE Neo One é um smartphone Android de entrada, com processador de 700 MHz, tela de 3.7 polegadas (320 x 480), câmera traseira de 5 megapixels, slot dual SIM e sistema operacional Android 2.3 (Gingerbread). E a partir de agora, você pode dizer para todo mundo que pode ter um “IPHONE” por apenas R$ 599,00.

Ah, e antes que você me pergunte, a resposta é SIM. A Gradiente vai buscar medidas legais para garantir os direitos de propriedade intelectual da marca IPHONE no Brasil. Ou seja, advogados da Apple: se preparem! A Gradiente vem aí!

Vale a pena lembrar que o caso é muito semelhante com aquele que foi aplicado na China pela Proview, que registrou a marca iPad no país antes da Apple lançar o produto internacionalmente. A diferença no caso da Gradiente (e é o que levanta dúvidas sobre a conclusão desse caso) é essa concessão de direitos ter saído em janeiro de 2008, meses depois do anúncio do iPhone. Se a Gradiente tem provas que solicitou o registro da marca em 2000, tudo bem, a marca IPHONE no Brasil é deles, e fatalmente a Apple vai ter que pagar alguns tostões para os brasileiros. Mas essa concessão exclusiva em 2008 pode atrapalhar um pouco a missão jurídica da fabricante brasileira.

Seja como for, agora o usuário brasileiro tem a opção de comprar o iPhone da Apple, o gringo, ou defender a soberania da indústria nacional, comprando um smartphone da Família IPHONE (aliás, esse nome lembra muito o Família Restart… e no fundo, todo Apple Fanboy é meio “Família” alguma coisa mesmo…) da Gradiente. E é claro que eu estou brincando nesse parágrafo… mas é tão inusitada a notícia, que temos que nos divertir um pouco com isso.

Agora, se você quer saber o que o INPI diz sobre o assunto, clique aqui.