google-glass

O Google Glass promete um conceito totalmente novo, mas ainda desperta desconfiança de muitos. Mas assim como acontece com qualquer tecnologia nova, apesar do seu temor inicial, algumas empresas começam a fazer parte dessa empreitada, ainda mais faltando “pouco” para a chegada do produto ao mercado (será lançado até o final de 2013). Por causa disso, o Google já está buscando desenvolvedores para criarem aplicativos úteis para os usuários. E os primeiros nomes foram revelados no evento SXSW, em Austin (EUA).

Os primeiros aplicativos já confirmados para o Google Glass são: Evernote, Path e New York Times, além do popular GMail. Começando pelo aplicativo de e-mails do Google: o mesmo vai contar com um serviço de notificações push, que pode ser configurado para que o usuário só receba as mensagens mais importantes. Além disso, será possível responder aos e-mails a partir dos próprios óculos, ditando o que deve ser redigido na mensagem, graças ao recurso de reconhecimento de voz.

O Evernote também está confirmado no Google Glass. É um dos melhores aplicativos multiplataforma para anotações (mesmo com os problemas recentes de segurança), e nesse caso, quando o usuário registrar uma foto, poderá transferir a mesma para o Skitch, para depois anotar algo sobre a imagem, e salvá-la.

O Path é outra boa novidade. Essa era uma rede social privada, mas nos últimos dias eles incorporaram um serviço de mensagens ao mais puro estilo Line. Nos óculos, cada vez que o usuário enviar uma foto, o aplicativo vai nos mostrar na tela, permitindo comentários e adição de emoticons. Na realidade, se trata de uma boa aposta já que eles supõem que no Path vamos ter os nossos amigos mais próximos, e por consequência, seria interessante saber o conteúdo que essas pessoas publicam.

Por fim, o New York Times vai mostrar nos óculos as notícias de maior destaque. Além disso, com uma mudança de olhar, será possível ver a notícia completa.

Por fim, esses aplicativos para o Google Glass deverão se integrar em nossas vidas, e não causar transtornos, como os smartphones fazem em algumas situações. Desta forma, poderemos seguir com nossas tarefas sem ter que colocar a mão no bolso quando não podemos.

 

Via Gizmologia