Não é de hoje que sabemos que a mídia impressa nos Estados Unidos vai mal. E, se olharmos para o Brasil, a coisa não é muito diferente. Nos dois países, jornais e revistas estão encerrando suas versões impressas, passando a adotar exclusivamente o formato digital para distribuir os seus conteúdos, pelo maior potencial de consumo e publicidade, além de gerar uma drástica redução de custos operacionais.

O que a gente não sabia era a dimensão disso.

Um novo estudo realizado pela empresa Statista revela que o Google faz hoje mais dinheiro em publicidade nos seus serviços online do que toda a mídia impressa dos Estados Unidos combinada. Ok, a diferença é muito pequena, mas uma empresa online conseguir lucrar mais em publicidade do que todos os jornais e revistas dos Estados Unidos é um sinal claro que vivemos em um período de transição, tanto no consumo quanto (e principalmente) nos investimentos de propaganda.

O estudo mostra que o Google conseguiu acumular mais de US$ 20 bilhões de lucros em publicidade nos primeiros seis meses de 2012, enquanto que toda a mídia impressa dos Estados Unidos gerou um pouco menos de US$ 20 bilhões em publicidade. A Statista também lembra que o Google tem apenas 14 anos de vida, e faz mais dinheiro na sua publicidade que veículos tradicionais e, em alguns casos, centenários.

A comparação pode ser injusta se observarmos o alcance dessas empresas. O Google em todo o planeta, enquanto que o The New York Times, por exemplo, possui um mercado bem mais restrito. Isso limita um julgamento pleno e científico da causa, mas ilustra claramente o poder que o Google tem em termos de publicidade, e o mais importante: mostra onde os investidores vão querer colocar o seu dinheiro.

Apesar dessa análise parecer ser muito positiva, as coisas não são tão animadoras para os lados da gigante de Mountain View. A empresa fechou o terceiro trimestre de 2012 com crescimentos abaixo do esperado para os padrões de Wall Street, registrando um lucro por ação de US$ 9.03, com uma receita de US$ 11.33 bilhões. As expectativas dos especialistas apontavam para um lucro por ação de US$ 10.65, com uma receita de US$ 11.86 bilhões. Além disso, o Google registrou uma queda anual de 15% nos custos por clique de suas publicidades, o que influi diretamente no valor final que os anunciantes pagam para a empresa a cada vez que um anúncio é clicado.

Mesmo assim, vale a mesma regra que falei no post da “crise” da Apple: eu gostaria de estar em crise como o Google está!

Via BGR.com